Terça-feira, 24 de outubro de 2006

29ª Semana do Tempo Comum (ano par),  1ª Semana do Saltério (Livro III), cor verde

Levanta-te, vem para o meio (CF 2006)

"A arte da vida consiste em fazer da vida uma obra de arte." (Mahatma Gandhi). 

Hoje: Santo Antônio Maria Claret, Bispo, Memória Facultativa, Dia das Nações Unidas, dia Mundial do Desenvolvimento e Início a Semana do Desarmamento (até o dia 31/10)

Santos do Dia: Antônio Maria Claret (1870, Catalunha, Espanha, fundador dos Claretianos), Evergílio, Maglório (séc. VI, monge das Ilhas Britânicas), Félix (303, Itália).

I Leitura: Efésios (Ef 2, 12-22)

ELE É A NOSSA PAZ

Irmãos, [12]naquele tempo, éreis sem Messias, privados de cidadania em Israel, estranhos às alianças da promessa, sem esperança e sem Deus no mundo. [13]Mas agora, em Jesus Cristo, vós que outrora estáveis longe, vos tomastes próximos, pelo sangue de Cristo. [14]Ele, de fato, é a nossa paz: do que era dividido, ele fez uma unidade. Em sua carne ele destruiu o muro de separação: a inimizade. [15]Ele aboliu a Lei com seus mandamentos e decretos. Ele quis, assim, a partir do judeu e do pagão, criar em si um só homem novo, estabelecendo a paz. [16]Quis reconciliá-los com Deus, ambos em um só corpo, por meio da cruz; assim ele destruiu em si mesmo a inimizade.

[17]Ele veio anunciar a paz a vós que estáveis longe, e a paz aos que estavam próximos. [18]E graças a ele que uns e outros, em um só Espírito, temos acesso junto ao Pai. [19]Assim, já não sois mais estrangeiros nem migrantes, mas concidadãos dos santos. Sois da família de Deus. [20]Vós fostes integrados no edifício que tem como fundamento os apóstolos e os profetas, e o próprio Jesus, Cristo como pedra principal. [21]E nele que toda a construção se ajusta e se eleva para formar um templo santo no Senhor. [22]E vós também sois integrados nesta construção, para vos tomardes morada de Deus pelo Espírito. Palavra do Senhor!

Comentando a I Leitura (1)

DO QUE ERA DIVIDIDO ELE FEZ UMA UNIDADE

Nota-se logo a diferença entre a atitude do turista e a do habitante que conhece cada ângulo, e para quem cada rosto é familiar. A quem se quisesse passear, na Igreja-comunidade de pessoas com a mentalidade. "desligada" do visitante, Paulo lembra que esta é a família da SS. Trindade. Quem se sente desambientado, julga-se de fora e mantém distância, não é capaz de compreender.

Sob o arcabouço das estruturas institucionais, "também nós somos edificados em Cristo para nos tornarmos habitação de Deus no Espírito". É a família das três Pessoas, em que nos sentimos de casa. O tempo passado com Jesus em oração ao Pai, no Espírito, é o tempo verdadeiro, tempo da realidade, em que estamos "em casa". O outro tempo, o das ocupações ordinárias, toma daqui seu sentido.

Salmo: 84(85), 9ab-10.11-12.13-14 (R/.cf 9)

O SENHOR ANUNCIARÁ A PAZ PARA O SEU POVO

[9ª]Quero ouvir o que o Senhor irá falar: [9b]é a paz que ele vai anunciar; [10]está perto a salvação dos que o temem, e a glória habitará em nossa terra.

[11]A verdade e o amor se encontrarão, a justiça e a paz se abraçarão; [12]da terra brotará a fidelidade, e a justiça olhará dos altos céus.

[13]O Senhor nos dará tudo o que é bom, e a nossa terra nos dará suas colheitas; [14]a justiça andará na sua frente e a salvação há de seguir os passos seus.

Evangelho: Lucas (Lc 12, 35-38)

FELIZES OS EMPREGADOS QUE O SENHOR ENCONTRA ACORDADOS QUANDO CHEGAR

Naquele tempo, disse  Jesus aos seus discípulos: [35]Que vossos rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas. [36]Sede como homens que estão esperando seu senhor voltar de uma festa de casamento, para lhe abrirem, imediatamente, a porta, logo que ele chegar e bater. [37]Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar. Em verdade, eu vos digo: Ele mesmo vai cingir-se, fazê-los sentar-se à mesa e, passando, os servirá. [38]E caso ele chegue à meia-noite ou às três da madrugada, felizes serão, se assim os encontrar! Palavra da Salvação!

Comentando o Evangelho (2)

À ESPERA DO SENHOR

A longa espera da segunda vinda do Senhor pode levar o discípulo a esmorecer e a desanimar. Quanto maior a incerteza do dia e da hora, tanto maior a tentação de debandar para o pecado, a idolatria e a impiedade. Perseverar na espera é prova de fidelidade.

Jesus se serve de duas imagens para ilustrar o estado de constante vigilância do discípulo. A primeira é estar com os "rins cingidos com o cinto." Alusão à veste comprida usada pelos orientais, arregaçada e amarrada na cintura, por meio de uma faixa, enquanto se trabalhava ou viajava, para não lhes impedir os movimentos. A segunda é estar com as lâmpadas acesas, sugerindo que a vinda inesperada pode dar-se a qualquer momento, inclusive à noite.

Em termos concretos, a vigilância expressa-se na prática incessante da misericórdia e da justiça. O discípulo é incansável no amor. Sua opção mantém-se inalterada, mesmo desconhecendo o dia e a hora do encontro com o Senhor. Esta demora é irrelevante. Antes, quanto mais o Senhor tarda a chegar, tanto mais terá tempo para fazer o bem. A demora, neste caso, é vista pelo prisma positivo: a possibilidade de manifestar sua capacidade de amar, e não pelo prisma negativo, como se tivesse sido vítima do descaso e do abandono do Senhor.

Perseverar no amor é uma autêntica bem-aventurança. Só os verdadeiros discípulos são capazes disso.

SANTO ANTÔNIO MARIA CLARET (3)

Plinio Maria Solimeo

Santo Antônio Maria Claret foi um dos grandes esteios da Santa Igreja no seu tempo. Pio XII, quando o canonizou em 1950, chamou-o de “Santo de todos”. Isso porque, diz o Pontífice, “nele olham os artesões, os sacerdotes, os bispos e todo o povo cristão, já que se encontram nele exemplos preclaros com que se alentar e encorajar-se, cada qual segundo seu estado, nessa perfeição cristã da qual unicamente podem sair, nas perturbações presentes, os oportunos remédios e atrair tempos melhores”.(1)

Esse santo, de uma atividade espantosa, foi “apóstolo da palavra, pregando inumeráveis sermões; apóstolo da pena, publicando muitíssimos volumes; apóstolo da Imprensa, criando academias, livrarias e bibliotecas; apóstolo da ação social católica e dos exercícios espirituais. Foi catequista, missionário, formador do clero, diretor de almas, fundador de congregações, pedagogo e ‘anjo tutelar da família real’, em frase de Pio XI; mas, sobretudo, eminentemente santo”.(2)

Pregador popular, fundou a Congregação Missionária dos Filhos do Coração Imaculado de Maria. Foi Arcebispo de Santiago de Cuba, confessor e conselheiro da rainha Isabel II, da Espanha. No Concílio Vaticano I, destacou-se como intrépido defensor da infalibilidade pontifícia.

Copyright © 2004 Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

1 MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997

2 O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano C,  ©Paulinas, 1996

3 Fonte: CATOLICISMO (Revista de Cultura e Atividade)

http://www.catolicismo.com.br/

About these ads