Terça-feira, dia 29 de Abril de 2008

Santa Catarina de Sena, virgem, Doutora da Igreja, Padroeira da Europa,+1380

Livro dos Actos dos Apóstolos 16,22-34.

A multidão amotinou-se contra eles; e os estrategos, arrancando-lhes as vestes, mandaram-nos açoitar.
Depois de lhes terem dado muitas vergastadas, lançaram-nos na prisão, recomendando ao carcereiro que os tivesse sob atenta vigilância.
Ao receber tal ordem, este meteu-os no calabouço interior e prendeu-lhes os pés no cepo.

Cerca da meia-noite, Paulo e Silas, em oração, entoavam louvores a Deus, e os presos escutavam-nos.
De repente, sentiu-se um violento tremor de terra que abalou os alicerces da prisão. Todas as portas se abriram e as cadeias de todos se desprenderam.
Acordando em sobressalto, o carcereiro viu as portas da prisão abertas e puxou da espada para se matar, pensando que os presos se tinham evadido.
Paulo, então, bradou com voz forte: «Não faças nenhum mal a ti mesmo, porque nós estamos todos aqui.»

O carcereiro pediu luz, correu para dentro da masmorra e lançou-se a tremer, aos pés de Paulo e de Silas.
Depois, trouxe-os para fora e perguntou: «Senhores, que devo fazer para ser salvo?»
Eles responderam: «Acredita no Senhor Jesus e serás salvo tu e os teus.»
E anunciaram-lhe a palavra do Senhor, assim como aos que estavam na sua casa.
O carcereiro, tomando-os consigo, àquela hora da noite, lavou-lhes as feridas e imediatamente se baptizou, ele e todos os seus.
Depois, levando-os para cima, para a sua casa, pôs-lhes a mesa e entregou-se, com a família, à alegria de ter acreditado em Deus.

Livro de Salmos 138(137),1-2.2-3.7-8.

Dou-te graças, SENHOR, de todo o coração, na presença dos poderosos te hei de louvar.

Inclino-me voltado para o teu santo templo e louvarei o teu nome, pela tua bondade e pela tua fidelidade, porque foste mais além das tuas promessas.
Inclino-me voltado para o teu santo templo e louvarei o teu nome, pela tua bondade e pela tua fidelidade, porque foste mais além das tuas promessas.

Quando te invoquei, atendeste-me e aumentaste as forças da minha alma.
Quando estou em angústia, conservas-me a vida; estendes a mão contra a ira dos meus inimigos, e a tua mão direita me salva.
SENHOR tudo fará por mim! Ó SENHOR, o teu amor é eterno! Não abandones a obra das tuas mãos!

Evangelho segundo S. João 16,5-11.

«Agora vou para aquele que me enviou, e ninguém de vós me pergunta: ‘Para onde vais?’
Mas, por vos ter anunciado estas coisas, o vosso coração ficou cheio de tristeza.
Contudo, digo-vos a verdade: é melhor para vós que Eu vá, pois, se Eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas, se Eu for, Eu vo-lo enviarei.

E, quando Ele vier, dará ao mundo provas irrefutáveis de uma culpa, de uma inocência e de um julgamento: de uma culpa, pois não creram em mim;
de uma inocência, pois Eu vou para o Pai, e já não me vereis;
de um julgamento, pois o dominador deste mundo ficou condenado.»

Comentário ao Santo Evangelho: Santa Teresa Benedita da Cruz [€dite Stein] (1891-1942) carmelita, mátir, co-padroeira da Europa
Poesia de Pentecostes 1937

"É bom para vós que eu parta porque, se não partir, o Paráclito não virá a vós"

Quem és tu, doce luz que me enches
e iluminas as trevas do meu coração?…
És o Mestre da obra,
o construtor da eterna catedral
que se eleva desde a terra ao Céu?
Tu dás vida às suas colunas, que se erguem,
altas e rectas, sólidas e imutáveis (Ap 3,12).
Marcadas pelo sinal do Nome divino e eterno,
lançam-se para a luz e suportam a cúpula
que termina e coroa a santa catedral,
a tua obra que abraça o universo inteiro:
o Espírito Santo, Mão criadora de Deus!…

És tu o doce cântico do amor
e do sagrado respeito que ressoa sem fim
à volta do trono da Trindade santa (Ap 4,8),
sinfonia em que ecoa
a nota pura dada por cada criatura?
O som harmonioso,
o acorde unânime dos membros e da Cabeça (Ef 4,15),
no qual cada um, no auge da alegria,
descobre o sentido misterioso do seu ser
e o deixa brotar em gritos de júbilo,
livre e paricipante no seu próprio jorrar:
Espírito Santo eterno júbilo!