Quarta-feira, dia 16 de Julho de 2008

Nossa Senhora do Carmo

Livro de Isaías 10,5-7.13-16.

Ai da Assíria, vara da minha cólera, o bastão das suas mãos é o bastão do meu furor! Eu o atirei contra uma nação ímpia, e o lancei contra o povo, objecto do meu furor, para o saquear e despojar e para o calcar aos pés como lama das ruas. Mas ele não entendeu assim, nem eram estes os planos do seu coração. O seu propósito era destruir e exterminar muitas nações.

Realmente ele afirma: «Foi pela força da minha mão que fiz isto, com a minha sabedoria, porque sou inteligente. Mudei as fronteiras dos povos, saqueei os seus tesouros, como um herói derrubei toda aquela gente.
Apanhei com a minha mão a riqueza dos povos, como quem recolhe os ovos deixados num ninho. Juntei a terra inteira e ninguém bateu as asas, nem abriu a boca para piar.»

Acaso gloriar-se-á o machado contra quem o maneja? Ou levantar-se-á a serra contra o serrador? Um bastão não pode comandar um homem, é o homem que faz mover o bastão.
Por isso, o Senhor DEUS do universo enfraquecerá com a doença aqueles guerreiros; debaixo do fígado acender-lhes-á uma febre como um fogo de incêndio.

Livro de Salmos 94(93),5-6.7-8.9-10.14-15.

Esmagam o teu povo, SENHOR, e espezinham a tua herança.

Matam a viúva e o estrangeiro e assassinam os órfãos.
Eles dizem: «O SENHOR não vê, o Deus de Jacob não dá por isso!»

Reflecti, ó gente imbecil! E vós, insensatos, quando ganhareis juízo?
Porventura, quem fez o ouvido não ouvirá? Aquele que fez os olhos não há-de ver?

Aquele que corrige as nações, não castigará? Se é Ele quem ensina aos homens a ciência!…
SENHOR não abandona o seu povo nem despreza a sua herança.
De novo há-de voltar a haver justiça, e hão-de segui-la todos os de coração recto.

Evangelho segundo S. Mateus 11,25-27.

Naquela ocasião, Jesus tomou a palavra e disse: «Bendigo-te, ó Pai, Senhor do Céu e da Terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e aos entendidos e as revelaste aos pequeninos.
Sim, ó Pai, porque isso foi do teu agrado.
Tudo me foi entregue por meu Pai; e ninguém conhece o Filho senão o Pai, como ninguém conhece o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.»

Da Bíblia Sagrada

Jean Tauler (c.1300-1361), dominicano em Estrasburgo
Sermão 29

«Ninguém conhece o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar»

É-nos impossível encontrar os termos apropriados para falarmos acerca da gloriosa Trindade, e no entanto algo se impõe que digamos […] É completamente impossível, pela inteligência, compreender como a elevada e essencial unidade é unidade simples quanto à essência, e tripla quanto às Pessoas, compreender como as três Pessoas se distinguem entre si, como o Pai gera o Filho, como o Filho procede do Pai e n’Ele mora, porém; e compreender como, da sabedoria que d’Ele sai, jorra uma indescritível torrente de amor que é o Espírito Santo; compreender como essas maravilhosas efusões refluem na inefável benignidade da própria Trindade e na fruição que a Trindade faz de si própria, numa unidade essencial […] Mais vale sentir tudo isto do que o expor por palavras […]

Esta Trindade, consideremo-la em nós próprios; tomemos consciência de como somos verdadeiramente feitos à sua imagem (Gn 1,26), pois encontramos na alma, no seu estado natural, a própria imagem de Deus, imagem verdadeira, clara, ainda que nela não esteja toda a nobreza do objecto que representa. Os sábios dizem que esta reside nas faculdades superiores da alma, na memória, na inteligência, na vontade […]

Outros mestres dizem, e esta é uma opinião superior, que a imagem da Trindade residiria no mais íntimo, no mais secreto e profundo da alma […]. É certamente no mais profundo da alma que o Pai do céu gera o seu Filho único […]. Se quisermos sentir isto, voltemo-nos para o nosso interior, muito acima de quaisquer actividades exteriores ou interiores, acima das imagens e de tudo o que vem do exterior, e mergulhemos  perscrutemos o fundo da nossa alma.

Então poder do Pai virá, e o Pai chamará o homem que há em cada um de nós pelo seu Filho único, e tal como o Filho nasce do Pai e reflui no Pai, assim o próprio homem, também, no Filho, nascerá do Pai e refluirá no Pai com o Filho, tornando-se um com Ele. O Santo Espírito difundir-se-á então em caridade e alegria indescritíveis e transbordantes. Inundará e penetrará o fundo do homem com os seus doces dons.

Anúncios