Segunda-feira, dia 21 de Julho de 2008

S. Lourenço de Brindisi (Brindes), religioso, Doutor da Igreja, +1619

Livro de Miqueias 6,1-4.6-8.

Ouvi o que diz o Senhor: «Levanta-te! Advoga a tua causa diante das montanhas, e ouçam as colinas a tua voz!
Ouvi, ó montanhas, o processo do Senhor, prestai atenção, fundamentos da terra! Porque o Senhor entrou em litígio com o seu povo, e vai litigar com Israel:

‘Povo meu, que te fiz, ou em que te contristei? Responde-me.
Tirei-te da terra do Egipto, livrei-te da casa da escravidão e enviei, diante de ti, Moisés, Aarão e Míriam.
Com que me apresentarei ao Senhor, e me prostrarei diante do Deus excelso? Irei à sua presença com holocaustos, com novilhos de um ano?
Porventura o Senhor receberá com agrado milhares de carneiros ou miríades de torrentes de azeite? Hei-de sacrificar-lhe o meu primogénito pelo meu crime, o fruto das minhas entranhas pelo meu próprio pecado?
Já te foi revelado, ó homem, o que é bom, o que o Senhor requer de ti: nada mais do que praticares a justiça, amares a lealdade e andares humildemente diante do teu Deus.

Livro de Salmos 50(49),5-6.8-9.16-17.21.23.

«Reuni junto a mim os que me são fiéis, os que selaram a minha aliança com um sacrifício.»

Até os céus proclamarão a sua justiça, porque Deus é quem julga.
Não te repreendo por causa dos teus sacrifícios; os teus holocaustos estão sempre na minha presença.
Não reivindico os novilhos da tua casa, nem os cabritos dos teus currais;

Ao pecador, Deus declara: «Porque andas sempre a falar da minha lei e trazes na boca a minha aliança,
tu que detestas os meus ensinamentos e rejeitas as minhas palavras?

Tens feito tudo isto. Poderei Eu calar-me? Pensavas que Eu era igual a ti? Vou chamar-te a julgamento e lançar-te tudo isto em rosto!»

Honra-me quem oferece o sacrifício de louvor; a quem anda por este caminho farei participar da salvação de Deus. SALMOS

Evangelho segundo S. Mateus 12,38-42.

Intervieram, então, alguns doutores da Lei e fariseus, que lhe disseram: «Mestre, queremos ver um sinal feito por ti.»
Ele respondeu-lhes: «Geração má e adúltera! Reclama um sinal, mas não lhe será dado outro sinal, a não ser o do profeta Jonas.
Assim como Jonas esteve no ventre do monstro marinho, três dias e três noites, assim o Filho do Homem estará no seio da terra, três dias e três noites.

No dia do juízo, os habitantes de Nínive hão-de levantar-se contra esta geração para a condenar, porque fizeram penitência quando ouviram a pregação de Jonas. Ora, aqui está quem é maior do que Jonas!
No dia do juízo, a rainha do Sul há-de levantar-se contra esta geração para a condenar, porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. Ora, aqui está alguém que é maior do que Salomão!»

Da Bíblia Sagrada

S. Cirilo de Jerusalém (313-350), bispo de Jerusalém, doutor da Igreja
Catequese nº 20 / 2ª mistagógica

O sinal de Jonas

Fostes conduzidos pela mão à piscina baptismal, como Cristo o foi da cruz até ao túmulo que está diante de vós [nesta igreja do Santo Sepulcro]. Depois de terdes confessado a vossa fé no Pai, no Filho e no Espírito Santo, fostes imersos três vezes na água e três vezes emergistes: era o símbolo dos três dias de Cristo no túmulo.

Tal como o nosso Salvador passou três dias e três noites no coração da terra, também vós, ao sairdes da água depois da vossa imersão, haveis imitado Cristo… Quando imergistes, estáveis na noite, não víeis nada; mas ao sairdes da água estáveis como que em pleno dia. Num mesmo movimento, morrestes e nascestes; essa água que salva foi ao mesmo tempo o vosso túmulo e a vossa mãe…     

Estranho paradoxo! Não estamos verdadeiramente mortos, não fomos verdadeiramente sepultados, não fomos verdadeiramente crucificados nem ressuscitados; mas, se esta nossa imitação não é mais do que uma imagem, a salvação, essa é uma realidade.

Cristo foi realmente crucificado, realmente sepultado e verdadeiramente ressuscitou, e toda esta graça nos é dada para que, participando nos seus sofrimentos e imitando-os, ganhemos na realidade a salvação. Que imenso amor pelos homens! Cristo recebeu os pregos nas suas mãos puras e sofreu; a mim, sem sofrimento e sem dor, Ele concede por esta participação a graça da salvação…

Sabemo-lo bem: se é certo que o baptismo nos purifica dos pacedos e nos dá o Espírito Sanrto, ele é também a réplica da Paixão de Cristo. É por isso que Paulo proclama: "Não o sabeis? Nós todos, que fomos baptizados em Jesus Cristo, foi na sua morte que fomos baptizados. Fomos portanto sepultados com ele no baptismo"… Tudo o que Cristo suportou, foi por nós e para nosso salvação, na realidade e não em aparência…

Quanto a nós, tornamo-nos participantes  dos seus sofrimentos. Por isso, Paulo continua a proclamar: "Se nos tornámos um só com Crisrto, por uma morte semelhanse à sua, sê-lo-emos também por uma ressureição que se lhe assemelhe" (Ro 6,3-5).

PAZ E BEM!