Sexta-feira, dia 19 de Setembro de 2008

S. Januário, bispo, mártir, +305 ,   Nossa Senhora da Salette

1ª Carta aos Coríntios 15,12-20.

Ora, se se prega que Cristo ressuscitou dos mortos, como é que alguns de entre vós dizem que não há ressurreição dos mortos? Se não há ressurreição dos mortos, também Cristo não ressuscitou. Mas se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e vã é também a vossa fé.
E resulta até que acabamos por ser falsas testemunhas de Deus, porque daríamos testemunho contra Deus, afirmando que Ele ressuscitou a Cristo, quando não o teria ressuscitado, se é que, na verdade, os mortos não ressuscitam.

Pois, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé e permaneceis ainda nos vossos pecados. Por conseguinte, aqueles que morreram em Cristo, perderam se. E se nós temos esperança em Cristo apenas para esta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens. Mas não! Cristo ressuscitou dos mortos, como primícias dos que morreram.

Livro de Salmos 17,1.6-7.8.15.

AO DESPERTAR, ME SACIARÁ VOSSA PRESENÇA, Ó SENHOR.

Ouve, SENHOR, a minha causa justa, atende ao meu clamor. Escuta a minha oração, que não sai de lábios mentirosos.

Eu te invoco, ó Deus; responde-me! Inclina para mim o ouvido, escuta as minhas palavras. Mostra-nos a tua misericórdia, Tu, que salvas dos agressores os que buscam refúgio na tua direita.

Guarda-me como à pupila dos teus olhos; esconde-me à sombra das tuas asas, Eu, porém, pela justiça, contemplarei a tua face e, ao despertar, serei saciado com a tua presença.

Evangelho segundo S. Lucas 8,1-3.

Em seguida, Jesus ia de cidade em cidade, de aldeia em aldeia, proclamando e anunciando a Boa-Nova do Reino de Deus. Acompanhavam-no os Doze e algumas mulheres, que tinham sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demónios; Joana, mulher de Cuza, administrador de Herodes; Susana e muitas outras, que os serviam com os seus bens.

Da Bíblia Sagrada

Papa Bento XVI
Audiência geral de 14/2/07 (trad. DC 2376, p. 264 © copyright Libreria Editrice Vaticana)

«Acompanhavam-No os Doze, e também mulheres»

Sabemo-lo, de entre os seus discípulos Jesus escolheu doze homens como Pais do novo Israel, e escolheu-os para «estarem com Ele e para os enviar a pregar» (Mc 3, 14). Este facto é evidente mas, além dos Doze, colunas da Igreja, pais do novo Povo de Deus, também muitas mulheres são escolhidas no número dos discípulos. Posso apenas brevemente mencionar aquelas que se encontram no caminho do próprio Jesus, a começar pela profetisa Ana, até à Samaritana, à mulher sírio-fenícia, à hemorroísa e à pecadora perdoada.

Não me referirei sequer às protagonistas de algumas eficazes parábolas, por exemplo a uma dona de casa que amassa o pão, à mulher que perde a dracma, à viúva que importuna o juiz. Mais significativas nesta nossa reflexão são aquelas mulheres que desenvolveram um papel activo no contexto da missão de Jesus.

Em primeiro lugar, pensamos naturalmente na Virgem Maria que, com a sua fé e a sua obra materna, colaborou de modo único para a nossa Redenção, e de tal forma que Isabel veio a proclamá-la «bendita […] entre as mulheres», acrescentando: «Feliz de ti que acreditaste» (Lc 1, 45). Tornando-se discípula do Filho, Maria manifestou em Caná total confiança nele e seguiu-O até à Cruz, onde recebeu dele uma missão materna para com todos os seus discípulos de todos os tempos, representados por João.

Surgem depois várias mulheres que, a diversos títulos, gravitaram em torno da figura de Jesus, com funções de responsabilidade. São exemplo eloquente disso as mulheres que seguiam Jesus para o assistir com os seus bens e das quais Lucas nos transmite alguns nomes: Maria de Magdala, Joana, Susana e «muitas outras». Depois, os Evangelhos informam-nos que as mulheres, diversamente dos Doze, não abandonaram Jesus na hora da Paixão. Entre elas destaca-se, em particular, Madalena, que presenciou a Paixão, mas que para além disso foi também a primeira testemunha do Ressuscitado e quem O anunciou.

É precisamente para Maria de Magdala que S. Tomás de Aquino reserva a singular qualificação de «apóstola dos apóstolos», dedicando-lhe este bonito comentário: «Como uma mulher tinha anunciado ao primeiro homem palavras de morte, assim uma mulher foi a primeira a anunciar aos apóstolos palavras de vida».

(Referências bíblicas : Mc 3,14-15 ; Lc 2,36-38 ; Jo 4,1-39; Mc 7,24-30 ; Mt 9,20-22 ; Lc 7,36-50 ; Mt 13,33 ; Lc 15,8-10 ; Lc 18,1-18 ; Lc 1,42 ; Lc 1,45 ; Jo 2,25 ; Jn 19,25-27 ; Lc 8,2-3 ; Mt 27,56.61; Mc 15,40 ; Jo 20,1.11-18)

PAZ E BEM!

Anúncios