Uma alma verdadeiramente católica deve exultar ao tomar conhecimento de dons especialíssimos concedidos por Deus a nossa Mãe celeste

Práticas Iniciais

CONSAGRAÇÃO À NOSSA SENHORA

Ó Senhora minha, ó minha Mãe, eu me ofereço e me dou todo a Vós. E em prova da minha devoção para conVosco, eu vos consagro neste dia (nesta noite), os meus olhos, meus ouvidos, minha boca, meu coração e inteiramente todo o meu ser. E porque assim sou Vosso, ó incomparável Mãe, guardai-me e defendei-me como coisa e propriedade Vossa. Assim Seja.

PAI ETERNO

Pai Eterno, eu Vos ofereço pelas mão de Maria Santíssima o preciosíssimo sangue de Vosso Filho. Ofereço-Vos também as lágrimas de Nossa Senhora pela purificação da Terra e conversão dos homens, pela fidelidade dos vossos escolhidos, pela vitória da Santa Madre Igreja e triunfo do Imaculado Coração de Maria, extinção das heresias, derrota do comunismo e pela restauração da Santa Igreja.

SALVE RAINHA

Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida, doçura, esperança nossa, salve! A vós bradamos, os degredados filhos de Eva; a vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de Lágrimas. Eia, pois, advogada nossa esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro mostrai-nos a Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó Clemente, ó Piedosa, ó Doce, sempre Virgem Maria.

V – Rogai por nós, Santa Mãe de Deus,
R – Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Introdução

Um dos temas que mais atrai a ira dos protestantes é a devoção devida a Nossa Senhora. Incompreensões e calúnias de todo gênero circulam a esse propósito.

Maria, pela missão que lhe foi
confiada por Deus na história da salvação; pelo seu sim incondicional à Vontade
do Senhor; pela ação do Espírito Santo em sua vida e por tudo o que ela
representa na profissão da fé católica; é e sempre será modelo perfeito de humildade
e de entrega a Deus: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua
palavra.” (Lc 1,38).

 

Buscar viver em conformidade
com a Vontade do Pai, a exemplo da Virgem de Nazaré, é um privilégio para nós
católicos que procuramos imitar suas virtudes heróicas no seguimento de Nosso
Senhor Jesus Cristo.

 

Portanto, a nossa devoção nada
mais é do que a nossa adesão filial àquela que o Salvador nos deu como a Nova
Eva, a mãe de toda a humanidade e mãe da Nova Criação. (Cf. Jo 19,27).

 

Paz e Bem!

1º Ato de Meditação

O primeiro privilégio, do qual decorrem muitos outros, é a Imaculada Conceição, mediante a qual Nossa Senhora foi preservada do pecado original. Convinha que a Mãe de Deus fosse isenta de qualquer mancha de pecado.

Desse privilégio decorre a ausência da inclinação para praticar o mal. A Mãe de Deus não experimentava nenhuma das más inclinações que podem levar ao pecado, e, graças à sua fidelidade, não cometeu jamais a mínima imperfeição.

Igualmente — e este é o terceiro privilégio — Nossa Senhora teve um parto miraculoso e sem dor. Quando Adão e Eva pecaram, Deus disse a Eva: “Darás à luz com dor os filhos” (Gen 3,16). Sendo Nossa Senhora isenta do pecado original, compreende-se que o parto d´Ela não pagasse tributo à dor. O que é explicável, pois não convinha que a vinda do Salvador — alegria do Universo — ocorresse em meio à dor, mas sim numa atmosfera de júbilo.

(05 min de meditação – transcorridos 1 Pai – Nosso, 3 Ave – Marias, 1 Glória, Ó meu Jesus …)

2º Ato de Meditação

Um quarto privilégio foi sua santa morte. A morte é fruto do pecado original. Disse Deus a Adão: “Tu és pó e em pó te hás de tornar” (Gen 3,19). Como a Virgem Santíssima foi concebida sem pecado original, não havia razão para Ela morrer. Poderia ir diretamente para o Céu, sem passar pela morte. Entretanto, Nossa Senhora desejou não ficar isenta dessa provação, pela qual até seu Divino Filho tinha passado. Por isso faleceu, mas de morte tão suave que, na linguagem católica, fala-se em Dormição da Beatíssima Virgem Maria. Sua morte não foi causada por doença ou velhice. Dominava-a tal amor de Deus, que Ela morreu mais propriamente devido a esse amor.

Um quinto privilégio: Seu corpo não se corrompeu no túmulo. A perda da vida acarreta a destruição da matéria, mas no caso d´Ela a morte não teve poder sobre a matéria. Nada se alterou, nada se perdeu. Por isso sua morte é comparada ao sono, à Dormição.

Um sexto privilégio é a plenitude das graças recebidas. Deus é grandioso, generoso, porquanto cria sem nenhuma necessidade de criar, fazendo-o porque assim o quer. E, ao criar, Deus decidiu que ao menos uma mera criatura recebesse tudo o que é possível a um ente criado receber. Assim, recebeu Ela já no primeiro instante de seu ser todas as graças possíveis.

(05 min de meditação – transcorridos 1 Pai – Nosso, 3 Ave – Marias, 1 Glória, Ó meu Jesus …)

3º Ato de Meditação

Então manifesta-se um sétimo privilégio. Em tese, seria possível Ela a receber e rejeitar. Mas Nossa Senhora foi inteiramente fiel à graça, que A preservou de toda imperfeição.

Um oitavo privilégio foi a maternidade divina. Deus é a Sabedoria, e tudo o que faz decorre de uma razão altíssima. Qual seria o sentido de existir uma criatura a mais perfeita possível, isenta do pecado original e cheia de graça, e não lhe tocar uma vocação superior? Seria como uma obra de arte que não fosse exposta ao público e permanecesse fechada num cofre. Nossa Senhora é a obra-prima da criação, sendo lógico, portanto, que recebesse uma vocação proporcional à sua especialíssima situação. E que vocação pode haver mais alta do que a de ser Mãe de Deus?

Tratemos de um nono privilégio. Deus quis que sua Mãe fosse Virgem. Por quê? Não é regra comum da vida que maternidade e virgindade sejam incompatíveis? A virgindade não é apenas algo físico, mas corresponde também a um estado de alma. Quis Deus que as mães votem um amor especial, do ponto de vista natural, pelos seres que geraram. Mas para Nossa Senhora Ele almejava mais. Ela devia ser dotada de todo o amor possível de Mãe, mas concomitantemente, de todo desapego das coisas do mundo que a virgindade produz nas almas. E Nossa Senhora, a mais perfeita das mães, devia ter alma de Virgem, a fim de fazer o mais perfeito sacrifício possível e praticar o supremo desapego: entregar seu próprio Filho para ser imolado, com vistas a redimir nossos pecados.

(05 min de meditação – transcorridos 1 Pai – Nosso, 3 Ave – Marias, 1 Glória, Ó meu Jesus …)

4º Ato de Meditação

Um décimo privilégio de Nossa Senhora: sua Assunção aos céus, em corpo e alma. Compreende-se igualmente que, segundo o plano divino, um ser tão perfeito deveria receber um prêmio perfeito. Em contraste com os outros seres mortais, Ela está no Céu em corpo e alma.Tendo-a chamado a Si, de forma tão privilegiada, compreende-se que Deus A tenha coroado como Rainha do Céu e da Terra. Este é o décimo-primeiro privilégio.

Finalmente, o décimo-segundo: a onipotência (a onipotência suplicante) que Jesus Cristo lhe concedeu, estabelecendo-a como dispensadora de todas as graças. Tal privilégio, altíssimo sem dúvida alguma, é também um extraordinário prêmio para todos nós. Afinal, quem se beneficia dele? Nossa Senhora recebe todas as graças para as distribuir aos outros. Ela é a dispensadora, Aquela que entrega.

(05 min de meditação – transcorridos 1 Pai – Nosso, 3 Ave – Marias, 1 Glória, Ó meu Jesus …)

Conclusão

Voltemos ao início da meditação. Poderia alguém, com espírito de fé, lamentar tais privilégios? Posso eu sentir-me diminuído pelo fato de ser Ela a dispensadora de todas as graças? Como não ficar jubiloso ao saber que tão perfeita Mãe dispõe do poder de espargir entre seus filhos as graças divinas? Peçamos então o poderoso auxílio d’Ela. E rezemos pela conversão daqueles a quem o orgulho cega, não querendo entender a beleza de uma Mãe tão cheia de privilégios, que a todos eleva. Por isso S. Pio V quando teve a revelação por Maria Santíssima que os cruzados haviam ganhado a batalha em Lepanto, disse um jaculatória que mais tarde foi acrescentada à ladainha de Nossa Senhora, e que devemos dizer sempre com garbo e sentimento: Auxílium Christanórum, Ora pro nobis!

HINO

Salve Rainha, Mãe de Deus,
És Senhora nossa Mãe,
Nossa doçura, nossa luz,
Doce Virgem Maria.
Nós a Ti clamamos,
Filhos exilados,
Nós a Ti voltamos,
Nosso olhar confiante.

Volta para nós Oh! Mãe,
Teu semblante de Amor.
Dá-nos Teu Jesus, Oh! Mãe,
Quando a noite passar.

Salve Rainha, Mãe de Deus,
É auxilio dos cristãos,
Oh! Mãe Clemente, Mãe Piedosa,
Doce Virgem Maria.

Poema em honra de Maria Santíssima (por Helano Eugênio):

Porta do Céu

Se a dor te toma por demais,
Se o mundo não te crê jamais.
Sabe, pois, que há alguém por ti,
Orando, Intercedendo, há sim!

Puro esplendor e amor de Mãe,
Sacrário vivo de Deus Pai.
Em Ti, Maria, eu encontrei,
A vida que pra mim eu quis,
Imaginei como seria o paraíso de Jesus,
Com paz e harmonia em nossos corações.
Pra sempre então seria eterno em louvor,
Aquele que um dia veio e nos salvou.

Ó Mãe Santíssima, me leva a Deus,
E pra sempre exultarei com cantos,
Tenros de louvor, buscando a salvação.
E nesta hora em que eu te rogo aqui,
Dentro, em meu peito está a vontade,
De te conhecer, Maria, Tu que és Porta do Céu! (bis).

Súplica (J. Lima)

Oh! Maria, Filha de Deus Pai, Mãe de Deus Filho e Esposa do Divino Espírito Santo, em suma Serva da Trindade Santíssima, aqui me encontro com os olhos voltados para os Vossos privilégios, me traz na alma o sentimento de alegria e de seguir em tudo o Vosso Filho, adorando-o e servindo-o em tudo, quero ter uma intima amizade com o Divino Espírito Santo, Dizer com Vós, e como Vós, sempre "Sim" à Deus Pai. Pois Tu disseste "SIM"; quando podia ter dito "NÃO", e o arcanjo Gabriel buscaria outra, e nenhum pecado haveria aos olhos do Senhor, pois Deus conhece a fundo a fraqueza de seus filhos, mas Tu Oh, Mãe disseste:
"seja feita a Vossa Vontade!"

Mesmo quando sentiu que recebia junto com as palavras do anjo, toda a dor e sofrimento do seu destino; e os olhos do seu Coração puderam enxergar o Filho amado saindo de casa, as pessoas que o seguiam e depois o negariam, mas "seja feita a Vossa Vontade!"

Mesmo quando, no momento mais sagrado da vida de uma mulher, teve que se misturar aos animais de um estábulo para dar à luz, porque assim queriam as Escrituras, "seja feita a Vossa Vontade!"

Mesmo quando, aflita, procurava seu menino pelas ruas de Jerusalém, lembrando-se da profecia do profeta Simeão, já sentindo uma espada de dor em sua alma, o encontrou no templo. E Ele pediu que não o atrapalhasse, porque precisava cumprir outros deveres e outras tarefas, guardou este fato em seu Coração, meditando-o, mesmo assim "seja feita a Vossa Vontade!"

Mesmo sabendo que continuaria a buscá-lo pelo resto de seus dias, com o coração transpassado pelo punhal de dor, temendo a cada minuto por Sua vida, sabendo que Ele estava sendo perseguido e ameaçado, temia que o que acontecera com o Batista pudesse acontecer com o Filho de suas entranhas,  "seja feita a Vossa Vontade!"

Mesmo que, ao encontrá-Lo no meio da multidão, não tenha conseguido chegar perto, para acaricia-Lo, ver se tudo estava bem, contemplar mais uma vez o seu divino rosto, "seja feita a Vossa Vontade!"

Mesmo que, quando pediu a alguém para avisá-Lo que estava ali, o Filho tenha mandado dizer que: "minha mãe e meus irmãos são estes que estão comigo",  "seja feita a Vossa Vontade!"

Mesmo que todos tenham fugido no final, e só Tu, outra mulher, e um deles – o discípulo que Ele mais amava – tenha ficado aos pés da Cruz, agüentando o riso dos inimigos e a covardia dos amigos, "seja feita a Vossa Vontade!"

Mesmo depois ter visto, seu Filho amado, pedindo água e recebendo vinagre, vindo no peito a imensa vontade de subir na Cruz e de deitar água em seus lábios. Vendo que Ele, num último momento de forças, se preocupava com Ela entregando aos cuidados do discípulo amado, ter expirado, "seja feita a Vossa Vontade!"

Mesmo com Ele em seus maternos braços, ficando se perguntando: "o que Ele fez para merecer tamanha crueldade? Ele só pregou o amor! E agora o vejo morto em meus braços". Vendo ser deitado no sepulcro, "seja feita a Vossa Vontade!".

Seja feita a Vossa Vontade, Senhor. Porque Tu conheces a fraqueza do coração dos Teus filhos, e só entregas a cada um o fardo que pode carregar. Peço-Vos a graça necessária para não mais cometer os erros que tenho cometido, e que desejo sinceramente corrigir-me. Mas "seja feita a Vossa Vontade!". Ó Maria ajudai-me, a seguir com o meu corpo casto, minha alma pura e minha esperança unicamente no Senhor dos senhores, no Rei dos reis, o Mestre dos mestres, Vosso Filho diletíssimo, seu Senhor e Mestre. Ajudai-me oh, Virgem das virgens, Mãe da Divina Graça, Mãe dos Cristãos, e Auxílio nosso, ouvi os meus rogos e, se for da vontade de Vosso Filho, atendei esta minha súplica.

Nos Cum Prole Pia, Benedicta Virgo Mariæ!

Ladainha de Nossa Senhora

Senhor, tende piedade de nós, Senhor, tende piedade de nós
Jesus Cristo, tende piedade de nós, Jesus Cristo, tende piedade de nós
Senhor, tende piedade de nós, Senhor, tende piedade de nós
Jesus Cristo, ouvi-nos, Jesus Cristo, ouvi-nos,
Jesus Cristo, atendei-nos, Jesus Cristo, atendei-nos,
Pai Celeste, que sois Deus, Tende Piedade de nós.
Filho, redentor do mundo, que sois Deus, Tende Piedade de nós.
Espírito Santo, que sois Deus, Tende Piedade de nós.
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, Tende Piedade de nós

Santa Maria, rogai por nós.
Santa Mãe de Deus, rogai por nós
Santa Virgem das virgens, rogai por nós
Mãe de Jesus Cristo, rogai por nós
Mãe da Divina Graça, rogai por nós

Mãe puríssima, rogai por nós
Mãe castíssima, rogai por nós
Mãe intacta, rogai por nós
Mãe intemerata, rogai por nós
Mãe imaculada, rogai por nós

Mãe amável, rogai por nós
Mãe admirável. rogai por nós
Mãe do bom conselho, rogai por nós
Mãe do Criador, rogai por nós
Mãe do Salvador, rogai por nós

Mãe da Igreja, rogai por nós
Virgem prudentíssima, rogai por nós
Virgem venerável, rogai por nós
Virgem louvável, rogai por nós
Virgem poderosa, rogai por nós

Virgem clemente, rogai por nós
Virgem fiel, rogai por nós
Espelho de justiça, rogai por nós
Sede da sabedoria, rogai por nós
Causa de nossa alegria, rogai por nós

Vaso espiritual, rogai por nós
Vaso honorífico, rogai por nós
Vaso insigne de devoção, rogai por nós
Rosa mística, rogai por nós
Torre de Davi, rogai por nós

Torre de marfim, rogai por nós
Casa de ouro, rogai por nós
Arca da Aliança, rogai por nós
Porta do Céu, rogai por nós
Estrela da manhã, rogai por nós

Saúde dos enfermos, rogai por nós
Refúgio dos pecadores, rogai por nós
Consoladora dos aflitos, rogai por nós
Auxílio dos cristãos, rogai por nós
Rainha dos Anhos, rogai por nós

Rainha dos Patriarcas, rogai por nós
Rainha dos Profetas, rogai por nós
Rainha dos Apóstolos, rogai por nós
Rainha dos Mártires, rogai por nós
Rainha dos Confessores, rogai por nós

Rainha das Virgens, rogai por nós
Rainha de todos os santos, rogai por nós
Rainha concebida sem pecado original, rogai por nós
Rainha assunta ao Céu, rogai por nós
Rainha do Sacratíssimo Rosário, rogai por nós

Rainha da paz, rogai por nós

Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.

V. Rogai por nós Santa Mãe de Deus.

R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

OREMOS _ Concedei a vossos servos, nós Vos pedimos, Senhor nosso Deus, que gozemos perpétua saúde de alma e de corpo; e que pela gloriosa intercessão da bem-aventurada sempre Virgem Maria, sejamos livres da presente tristeza e alcancemos a eterna alegria. Por Cristo Nosso Senhor. Amém.

LEMBRAI – VOS DE SÃO BERNARDO

Lembrai-vos, ó piíssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que alguns daqueles que têm recorrido à vossa proteção, implorando a vossa assistência e reclamado o vosso socorro fosse por Vós desamparado. Animado eu, pois, de igual confiança, a Vós, ó Virgem entre todas singular, como Mãe recorro, de Vós me valho, e gemendo sob o peso de meus pecados, me prostro a vossos pés. Não desprezeis as minhas súplicas, ó Mãe do Filho de Deus humanado, mas dignai-vos de as ouvir propícia e de me alcançar o que Vos rogo. Assim seja.

Paz e Bem!

Anúncios