QUANDO E COMO OUVIMOS A VOZ DE DEUS?

Na verdade é preciso primeiro perguntar: o que é um ouvido cioso? É aquele que sempre escuta atentamente e não perde nada do que se lhe é comunicado; digamos melhor, é uma espécie de ouvinte permanente que nunca esquece o que ouve, e por isso mesmo, guarda no seu coração tudo o que lhe é revelado (Cf. Lc 2,51); porque, para nós que esperamos em Deus, tudo é revelação, pois nada conhecemos plenamente, visto que o saber intelectual é um apreender a partir da realidade que nos cerca e que fazemos parte dela, mas só a conhecemos parcialmente e nunca a sua essência, ela mesma; pois o mistério criador a envolve e a guarda como que a nos dizer: cabe a mim somente a mim conhece-la e revelá-la a quem me apraz…

Ouvir a Deus, então, é comungar perfeitamente com a sua Vontade que Ele mesmo se nos revela nas Sagradas Escrituras e em Seu Filho Jesus Cristo que é o Ápice da Revelação e ainda nos santos e santas que, conduzidos por Seu Espírito, seguiram Jesus em tudo e se conformaram a Ele neste mundo pelo exemplo de vida. Assim, o cristão é aquele que vive em Cristo e interage constantemente com Ele, com o Pai e o Espírito Santo, formando a unidade da Igreja, seu Corpo Místico, do qual Ele é a Cabeça e nós somos os membros. (Cf. Col 1,18).

As vias de comunicação nossa com Deus e de Deus conosco são os Sacramentos, a oração, a vivência das virtudes e as obras que Deus de antemão preparou para que nós as praticássemos (Cf. Ef 2,10); porque são essas graças que fundamentam nossa comunhão com o Senhor e nos levam a dar o testemunho verdadeiro de que somos seus filhos e filhas.

Pelos Sacramentos Deus nos gera na fé e nos faz viver Nele pela fé enquanto estivermos neste mundo, pois Sacramento é sinal sagrado onde Deus opera diretamente realizando a sua obra de restauração de toda a humanidade. Quem vive intensamente a vida sacramental é perseverante em tudo o que faz, porque vive da fé (Cf. Hab 2,3), conduzido pelo Espírito Santo, ou seja, ouve e segue a Cristo pela vivência sacramental.

Já a oração é uma via de mão dupla na interação com Deus. Por ela falamos com o Senhor e o ouvimos e com Ele interagimos como o fez Jesus, seu Filho Amado (Cf. Jo 11,41-42). E o melhor desse dom é que podemos usá-lo em qualquer lugar ou a qualquer momento sem restrição alguma, desde que observemos o que o Senhor Jesus nos ensinou: “Quando orares, entra no teu quarto (coração), fecha a porta e ora ao teu Pai em segredo; e teu Pai, que vê num lugar oculto, recompensar-te-á”. (Mt 6,6). Aliás, São Paulo, também nos ensinou essa verdade, quando escreveu: “Orai sem cessar” (1Tess 5,17).

Quanto à prática das virtudes? Estas são a escada que nos leva ao céu, pois de dons, são transformadas em atributos divinos pelos quais atingimos o cume da perfeição, visto que são as propriedades essenciais que santificam nossas almas. Um dom pode ser praticado ou não; quando praticado se torna atributo, isto é, próprio do ser, porque nunca lhe será tirado. Assim, por exemplo, temos o dom de amar; quando amamos perfeitamente pelo Espírito Santo, o próprio amor nos leva ao infinito dele mesmo nos tornando amor plenamente.

E as boas obras, como ouvimos o Senhor por elas? Ora, o servo só faz o que o seu Senhor manda; por elas obedecemos a Deus prontamente com o coração em festa, porque praticamos o que mais agrada a Deus numa alma piedosa. Pelas boas obras, além da obediência perfeita, cooperamos com a implantação do Reino dos Céus já aqui na terra. Quem faz o bem que Deus lhe dá, este testemunha que Deus está presente no bem feito, por isso, não fica sem recompensa, porque já o experimenta em si mesmo. Portanto, “Não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo colheremos, se não relaxarmos. Por isso, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos os homens, mas particularmente aos irmãos na fé”. (Gal 6,9-10).

Destarte, assim diz o Senhor: “Eis o meu Filho muito amado, em quem pus toda minha afeição; escutai o que ele diz”. (Mt 17,5).

Naquele tempo disse Jesus: “Em verdade, em verdade vos digo: vem a hora, e já está aí, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem viverão. Pois como o Pai tem a vida em si mesmo, assim também deu ao Filho o ter a vida em si mesmo, e lhe conferiu o poder de julgar, porque é o Filho do Homem. Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que se acham nos sepulcros sairão deles ao som de sua voz: os que praticaram o bem irão para a ressurreição da vida, e aqueles que praticaram o mal ressuscitarão para serem condenados. De mim mesmo não posso fazer coisa alguma. Julgo como ouço; e o meu julgamento é justo, porque não busco a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou”. (Jo 5,25-30).

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.

Anúncios