QUEM É JESUS? (Cf. Mt 16,13-19)

Essa é a pergunta mais feliz que um ser vivente pode responder; porque respondê-la é ouvir Deus diretamente, conviver com Deus diretamente e permanecer em Deus eternamente. Ninguém jamais viu a Deus, a não ser veladamente por meio dos sinais que o Senhor se nos deu a conhecer, quer na visibilidade da criação, quer por meio da fé que nos foi dada. Todavia, em Jesus Cristo, Seu Filho amado, Deus nos concedeu o privilégio de viver permanentemente em sua presença e comunhão. Isto significa a glorificação de nossa humanidade, presente no céu em Cristo glorificado e aqui no sacramento da Eucaristia e na comunhão eclesial. Porque conhecer Jesus, comungar seu Corpo e Sangue, sua Alma e Divindade, permanecer Nele e Ele em nós é a certeza do céu e a maior glória que um ser humano pode receber nesta terra.

Quando São João, o discípulo amado, viveu essa experiência, assim testemunhou: “O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado e as nossas mãos têm apalpado no tocante ao Verbo da vida – porque a vida se manifestou, e nós a temos visto; damos testemunho e vos anunciamos a vida eterna, que estava no Pai e que se nos manifestou -, o que vimos e ouvimos nós vos anunciamos, para que também vós tenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com o seu Filho Jesus Cristo. Escrevemos-vos estas coisas para que a vossa alegria seja completa”. (1Jo 1,1-4).

Quem é Jesus? O Caminho. Quem caminha por Ele não se perde porque sabe para onde vai, por isso, nunca tropeça, visto que o Senhor é Caminho seguro, intransitável pelo inimigo de nossas almas. Em Cristo Jesus não existe atalho, mas retidão, pois Ele nos deu o Espírito Santo para nos conduzir pela obediência, penitência, oração, prática das virtudes e vida sacramental. Assim somos perdoados, ensinados, alimentados e conduzidos com a maior convicção ao porto seguro de nossa salvação.

Quem é Jesus? A Verdade. O homem de Deus é homem de Deus porque se alimenta da verdade, Cristo, e vive Dele e para Ele plenamente, tornando-se sua testemunha fiel no ser e no viver, no falar e no sofrer; em meio às tribulações das mentiras alheias, sem se abalar com isso, porque vive a verdade que prevalece sempre, mesmo quando não é acreditada.

A Verdade não escreve nada dela mesma, Ela fala e faz o que Ela é, Verdade. Seus seguidores, porém, inspirados pelo Espírito Santo, vivem Nela, Dela e para Ela e A deixam por escrito como testemunho para a posteridade. “Então o que está assentado no trono disse: Eis que eu renovo todas as coisas. Disse ainda: Escreve, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras”. (Apo 21,5).

Quem é Jesus? A Vida. Sem a qual o mundo e tudo o que existe é caos, morte e perdição infinita. Porque tudo o que existe, só existe por causa de Cristo e para Cristo; sem Cristo Jesus nada do que há subsistirá. “Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, jamais morrerá. Crês nisto? Respondeu Marta: Sim, Senhor. Eu creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, aquele que devia vir ao mundo”. (Jo 11,25-27).

Quem é Jesus? O Filho de Deus. “O anjo disse-lhe: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. Ele será grande e chamar-se-á Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; e reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim. Maria perguntou ao anjo: Como se fará isso, pois não conheço homem? Respondeu-lhe o anjo: O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus”. (Lc 1,30-35).

Quem é Jesus? O Senhor. Do céu e da terra, de tudo e de todos, das coisas visíveis e invisíveis, do tempo e da eternidade, da vida e da morte; Aquele que tem todo poder sobre o céu e sobre toda criação e a quem estão submetidas todas as coisas. Por isso: “Dedicai-vos mutuamente a estima que se deve em Cristo Jesus. Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus,          mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor”. (Fil 2,6-11). É Ele quem tem a última Palavra e julgará os vivos e mortos e dará a cada conforme suas obras.

Quem é Jesus? O Rei. “Pilatos entrou no pretório, chamou Jesus e perguntou-lhe: És tu o rei dos judeus? Jesus respondeu: Dizes isso por ti mesmo, ou foram outros que to disseram de mim? Disse Pilatos: Acaso sou eu judeu? A tua nação e os sumos sacerdotes entregaram-te a mim. Que fizeste? Respondeu Jesus: O meu Reino não é deste mundo. Se o meu Reino fosse deste mundo, os meus súditos certamente teriam pelejado para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu Reino não é deste mundo. Perguntou-lhe então Pilatos: És, portanto, rei? Respondeu Jesus: Sim, eu sou rei. É para dar testemunho da verdade que nasci e vim ao mundo. Todo o que é da verdade ouve a minha voz. Disse-lhe Pilatos: Que é a verdade?… Falando isso, saiu de novo, foi ter com os judeus e disse-lhes: Não acho nele crime algum”. (Jo 18,33-38).

“Escreve isto: Antes de vir como justo Juiz, venho como Rei da Misericórdia. Antes de vir o dia da justiça, nos céus será dado aos homens este sinal: Apagar-se-á toda luz do céu e haverá uma grande escuridão sobre a Terra. Então aparecerá o sinal da Cruz no céu, e dos orifícios onde foram pregadas as mãos e os pés do Salvador sairão grandes luzes, que, por algum tempo, iluminarão a Terra. Isso acontecerá pouco antes do último dia” (D.83). (Diário de Santa Faustina).

Oração…

Senhor Jesus, quem vive do teu amor tem o dom da esperança, e vê muito além do que os olhos alcançam, porque olha pela ótica de tua divina luz que resplandece em meio às trevas deste mundo tenebroso, mundo este mergulhado no inferno da morte temporal e espiritual devido os pecados que aqui são cometidos, causando a ruína e a perdição de tantas e tantas almas enganadas por se afastarem do teu amor Senhor. Por isso é urgente a nossa conversão a Ti, porque sem Ti, jamais veremos ver a Deus face a face ou participaremos do Seu Reino. Amém!

Exortação final…

“Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos muito amados. Progredi na caridade, segundo o exemplo de Cristo, que nos amou e por nós se entregou a Deus como oferenda e sacrifício de agradável odor. Quanto à fornicação, à impureza, sob qualquer forma, ou à avareza, que disto nem se faça menção entre vós, como convém a santos. Nada de obscenidades, de conversas tolas ou levianas, porque tais coisas não convêm; em vez disto, ações de graças. Porque sabei-o bem: nenhum dissoluto, ou impuro, ou avarento – verdadeiros idólatras! – terá herança no Reino de Cristo e de Deus”.

“E ninguém vos seduza com vãos discursos. Estes são os pecados que atraem a ira de Deus sobre os rebeldes. Não vos comprometais com eles. Outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor: comportai-vos como verdadeiras luzes.        Ora, o fruto da luz é bondade, justiça e verdade. Procurai o que é agradável ao Senhor, e não tenhais cumplicidade nas obras infrutíferas das trevas; pelo contrário, condenai-as abertamente. Porque as coisas que tais homens fazem ocultamente é vergonhoso até falar delas. Mas tudo isto, ao ser reprovado, torna-se manifesto pela luz. E tudo o que se manifesta deste modo torna-se luz. Por isto (a Escritura) diz: Desperta, tu que dormes! Levanta-te dentre os mortos e Cristo te iluminará (Is 26,19; 60,1)!”

“Vigiai, pois, com cuidado sobre a vossa conduta: que ela não seja conduta de insensatos, mas de sábios que aproveitam ciosamente o tempo, pois os dias são maus. Não sejais imprudentes, mas procurai compreender qual seja a vontade de Deus”. (Ef 5,1-17).

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.