Pai-nosso

OS FRUTOS DA ORAÇÃO

Ao longo da história humana, muito se tem falado sobre o dom da oração; de fato, não se pode pensar ou falar em Deus sem que tenhamos acesso a Ele, e a oração é um dos meios mais eficazes desse acesso. Porém, como defini-la se já tantos a definiram antes? Realmente, mesmo em meio a tantas definições, cada um que se põe em oração tem sempre uma experiência nova de Deus, pois o modo de ser vivido nesta experiência, divino-humana, ilumina nosso testemunho de fé, aumenta a graça santificante e faz Deus bem presente em meio à contingência que nos atinge.

Daí surge uma pergunta: como fazer para que a nossa oração seja eficaz, isto é, seja profundamente proveitosa? Ou, em outras palavras, seja atendida? A vida humana e suas manifestações é feita de encontros, permanências temporárias e quem sabe eternas. Quando ouvimos do Senhor pérolas como estas: “Eu sou a videira; vós, os ramos. Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo o que quiserdes e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, para que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos”. (Jo 15,5.7-8); logo nos convencemos que mais do que pedidos, a oração é a base de toda comunhão perfeita com Deus, que nos criou para vivermos eternamente em sua presença numa convivência para além da finitude de nossa humanidade.

Então, vamos à eficácia e aos frutos de nossa oração. Segundo Santo Tomás de Aquino, “a oração é um desdobramento de nossas necessidades diante de Deus”. Desse modo, quando tratamos da oração pessoal, “as condições para a infalibilidade” dela, são as seguintes: “pedir por si, as coisas necessárias à salvação, piedosamente e com perseverança”.

“Além do aspecto impetratório, isto é, de pedido, diz-se que a oração [pessoal] tem ação meritória e satisfatória, pois nos alcança, respectivamente, o aumento da graça santificante e a expiação de nossas culpas, fazendo-se especialmente necessária: a) quando se cometeu pecado grave; b) quando há perigo de pecar; c) em perigo de morte”. Porquanto, “como observa Santo Tomás de Aquino, a boa oração deve ser humilde, fruto da confiança sobrenatural que é infusa pelo Espírito Santo”.

OS BENEFÍCIOS DA ORAÇÃO DO PAI NOSSO

O Pai nosso é a oração por excelência, mãe e modelo de toda oração, pois ensinada por Jesus, nosso Senhor e Salvador, nos faz participantes da filiação divina diretamente, uma vez que pedimos como filhos muito amados, como afirma São João: “Considerai com que amor nos amou o Pai, para que sejamos chamados filhos de Deus. E nós o somos de fato. Por isso, o mundo não nos conhece, porque não o conheceu. Caríssimos, desde agora somos filhos de Deus, mas não se manifestou ainda o que havemos de ser. Sabemos que, quando isto se manifestar, seremos semelhantes a Deus, porquanto o veremos como ele é. E todo aquele que nele tem esta esperança torna-se puro, como ele é puro”. (1Jo 3,1-3).

Quando se refere ao dom da oração, e o modo como fazê-la, o próprio Jesus nos ensina que a sua prática em si é vontade de Deus para nós; por isso, ele mesmo a praticou perseverantemente para realizar em tudo com sua vida a Vontade do Pai (cf. Lc 6,12-13;9,18-22;9,28-36;11,1-2;22,31-32;22,39-46;23,34.46). São Lucas quando trata do ensinamento de Jesus sobre a perseverança na oração, observa: “Propôs-lhes Jesus uma parábola para mostrar que é necessário orar sempre sem jamais deixar de fazê-lo”. (Lc 18,1). Ou seja, a oração é necessidade permanente para que tenhamos acesso aos bens eternos e à Fonte desses bens, Deus nosso Pai.

“Em seu Tratado Sobre a Oração do Senhor, São Cipriano observa que “se temos a Cristo como advogado diante do Pai para interceder pelos pecados, apresentemos Suas palavras ao pedirmos perdão de nossas faltas”. E tanto mais confiante se nos apresenta a oração do Senhor ao considerarmos que Cristo mesmo, que nô-la ensinou a orar, a escuta junto ao Pai, cumprindo o que diz o salmo: “Clamará por mim e Eu o ouvirei” (Sl 91,15). Acrescenta ainda São Cipriano que “dirigir-se ao Senhor com suas próprias palavras é fazer uma oração afetuosa, devota e familiar”. Daí dizer-se que ninguém conclui o Pai-nosso sem fruto algum, porquanto, como ensina Santo Agostinho, ele ao menos nos perdoa os pecados veniais”. (Enchiridion, c71; PL 40,265).

Ainda segundo São Cipriano, “Vontade de Deus é a que Cristo praticou e ensinou: humildade na vida, estabilidade na fé, veracidade nas palavras, justiça no agir, misericórdia nas obras, disciplina nos costumes, não saber injuriar, tolerar a injúria recebida, manter a paz com o irmãos, querer a Deus com todo o coração, amando-O como Pai e temendo-O como Deus, absolutamente nada antepor a Cristo, porque Ele também nada antepôs a nós; aderir inseparavelmente à Sua caridade, unir-se à Sua cruz com firmeza e fé, e, quando houver combate por Seu nome e honra, manifestar pela palavra e constância com que o confessamos diante dos juízes, a firmeza do nosso certame. Manifestemos, enfim, na morte, a paciência pela qual somos coroados: isso é ser coerdeiro de Cristo, isso é cumprir a vontade do Pai”.

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria,OFMConv.