Tag Archive: conversão


CRÔNICAS DE MINHA ALMA: A ATUALIDADE DA GRAÇA DE DEUS, FRENTE À NEGLIGÊNCIA HUMANA…

Sem sobra nenhuma de dúvida, a graça que santificou Nossa Senhora, São José, São Paulo, São Pedro, São Francisco de Assis, Santa Clara e todos os santos, é a mesma que nos é dada para nossa santificação pessoal. Pois Jesus veio do céu enviado por Deus Pai para nos redimir, nos santificar, nos fazer participantes de sua Natureza Divina. É isso o que nos ensina São Pedro em sua segunda carta: “O poder divino deu-nos tudo o que contribui para a vida e a piedade, fazendo-nos conhecer aquele que nos chamou por sua glória e sua virtude. Por elas, temos entrado na posse das maiores e mais preciosas promessas, a fim de tornar-vos por este meio participantes da natureza divina, subtraindo-vos à corrupção que a concupiscência gerou no mundo”. (2Ped 1,3-4).

Ora, e por que não somos santos desde já como todos os santos? É simples explicar isto, porque toda graça que nos é dada, precisa ser cultivada até que apresente os frutos esperados e necessários para nossa santificação, como eles a cultivaram. É isto que nos ensina São Pedro nessa mesma carta: “Por estes motivos, esforçai-vos quanto possível por unir à vossa fé a virtude, à virtude a ciência, à ciência a temperança, à temperança a paciência, à paciência a piedade, à piedade o amor fraterno, e ao amor fraterno a caridade. Se estas virtudes se acharem em vós abundantemente, elas não vos deixarão inativos nem infrutuosos no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo. Porque quem não tiver estas coisas é míope, cego: esqueceu-se da purificação dos seus antigos pecados”. (2Ped 1,5-9).

Com efeito, à esse ensinamento de São Pedro, associa-se também São Paulo quando nos diz, na Carta aos Filipenses: “Assim, meus caríssimos, vós que sempre fostes obedientes, trabalhai na vossa salvação com temor e tremor, não só como quando eu estava entre vós, mas muito mais agora na minha ausência. Porque é Deus quem, segundo o seu beneplácito, realiza em vós o querer e o executar. Fazei todas as coisas sem murmurações nem críticas, a fim de serdes irrepreensíveis e inocentes, filhos de Deus íntegros no meio de uma sociedade depravada e maliciosa, onde brilhais como luzeiros no mundo, a ostentar a palavra da vida”. (Fil 2,12-16a).

De fato, vivemos num mundo em que os seres humanos se acham donos da vida; os afamados que o digam: basta ter saúde, dinheiro e fama, para apresentarem os mais bizarros comportamentos, contrariando em tudo a vontade de Deus. E os menos abastados não ficam atrás em nada dos afamados, isto porque encontram nas drogas, no mau uso da liberdade e na prática de atrocidades, um meio nefasto de enriquecimento fácil, trilhando o caminho da criminalidade; sem contar ainda os que, a cada eleição, vendem seus votos se corrompendo de igual modo que seus corruptores, e isto sem um mínimo de bom senso, de ética ou moral; é, talvez nem saibam o que significa isso. E o prejuízo social fica evidente no descaso com a vida, o bem público, as leis constituídas, etc. E assim os ricos são cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais miseráveis. E como vimos, o pecado reina em todas as camadas sociais, cada uma ao seu modo, porém, todas marchando sem rumo para o abismo mais que profundo da perdição eterna.

E assim, segue essa nossa humanidade pervertida, imunda, perdida, adentrando as trevas da incredulidade e indiferença, defendendo a falsa liberdade e os mais espúrios comportamentos com a desculpa do “politicamente correto”: legalização do aborto; liberalismo sexual; legalização das drogas ilícitas; falsa liberdade de imprensa, etc. Sem contar a falsa tolerância à ditadura do judiciário corrupto; aos políticos “fichas sujas” e à insuportável chaga da desigualdade e injustiça social.

Caríssimos, Deus não está dormindo nem fechou os olhos para tudo isto que está acontecendo não; ao contrário, está passando a limpo essa velha humanidade com seus vícios e concupiscências: Logo, “O injusto faça ainda injustiças, o impuro pratique impurezas. Mas o justo faça a justiça e o santo santifique-se ainda mais. Eis que venho em breve, e a minha recompensa está comigo, para dar a cada um conforme as suas obras. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Começo e o Fim. Felizes aqueles que lavam as suas vestes para ter direito à árvore da vida e poder entrar na cidade pelas portas. Fora os cães, os envenenadores, os impudicos, os homicidas, os idólatras e todos aqueles que amam e praticam a mentira!” (Apo 22,11-15).

“Mas há uma coisa, caríssimos, de que não vos deveis esquecer: um dia diante do Senhor é como mil anos, e mil anos como, um dia. O Senhor não retarda o cumprimento de sua promessa, como alguns pensam, mas usa da paciência para convosco. Não quer que alguém pereça; ao contrário, quer que todos se arrependam. Entretanto, virá o dia do Senhor como ladrão. Naquele dia os céus passarão com ruído, os elementos abrasados se dissolverão, e será consumida a terra com todas as obras que ela contém”. (2Ped 3,8-10).

“Portanto, irmãos, cuidai cada vez mais em assegurar a vossa vocação e eleição. Uma vez que todas estas coisas se hão de desagregar, considerai qual deve ser a santidade de vossa vida e de vossa piedade, enquanto esperais e apressais o dia de Deus. Procedendo deste modo, não tropeçareis jamais. Assim vos será aberta largamente a entrada no Reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo”. (2Pd 1,10-11; 2Ped 3,11-12a). A Ele seja a glória aqui e por toda eternidade. Amém! Vem, Senhor Jesus, vem!

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.

FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

Anúncios

E TUDO ISTO ESTÁ NO MAIS ÍNTIMO DE NÓS…

Porque Deus é o Supremo Bem, existimos…
E tudo o que necessitamos para vida existe ainda, porque Deus nos ama…
Mesmo a despeito dos que o negam e querem destruir tudo…
Porque Deus é Amor, o mal não tem valor algum…
Mas infelizmente os homens insistem em cultivar a maldade…
Mesmo conhecendo na própria carne seus resultados nefastos…

O que dizer Senhor, de tamanha perversidade?
Creio que só há uma resposta convincente…
Amar-te sempre, amar-te infinitamente…
Porque se não fosse o teu amor,
nada existiria, absolutamente nada…
Todavia, ai daqueles que recusam teu amor…
Ai daqueles que semeiam a dor, a injustiça e a perversão…
Esses só terão o que semearam aqui, por toda a eternidade…
Por recusarem a verdade com suas mentiras, mesmo estando diante dela…

Senhor, que posso eu em minha finitude?
Porque são milhares e milhões de homens agindo contrariamente à tua vontade…
Como se eles tivessem por si mesmos o poder e o governo de todas as coisas criadas…
Quando na verdade aqui estão, só para definir o que serão por toda eternidade…
Porque nossas ações nada mais são do que a revelação de nossas escolhas e decisões, seja para o bem, seja para o mal…

Por isso, afirmo Senhor, sem medo algum de errar,
que não tenho poder, a não ser o poder de decidir o próprio devir…
Mas, à medida que decido por tua vontade…
Na verdade, posso tudo o que Tu podes,
porque dependo cem por cento de Ti…
Assim, já não sou eu que vivo, és Tu que vives em mim…
E a vida que vivo na carne, eu a vivo por amor de Teu Filho, Jesus…
Que por todos morreu na cruz para nos salvar…
Mesmo assim os homens não querem acreditar…
Porque se acreditassem tudo mudaria,
haveria uma verdadeira revolução do amor…
Todos se amariam e se reconheceriam como teus filhos e filhas…
E se nos tornaríamos herdeiros eternos da felicidade e da paz que nos dás…

Em meio a tudo isso, Senhor, dá pra se prever o destino eterno que estamos tomando…
Porque haverá um dia em que ouviremos de tua justiça…
A sentença bendita ou maldita do juízo final…
Bem-aventurados os que te glorificaram pela obediência e pelo amor…
Estes gozarão por toda a eternidade a felicidade que mereceram…
Ao contrário, malditos serão todos os que te negaram pelas maldades que praticaram…
Todos que se enredaram pela vereda da mentira, corrupção, depravação, homicídios, malefícios, impurezas, idolatria, perdição…
Estes terão como quinhão o tanque ardente de fogo e enxofre, a segunda morte…
Porque decidiram por tal viver…

Por isso, cada um se examine a si mesmo,
E procure corrigir e o que precisa de mudança…
Para assim poder alcançar as bem-aventuranças…
Compostas pela lembrança das virtudes praticadas…
Fé, esperança, caridade, desapego material…
Justiça, mansidão, fidelidade, paz…
Misericórdia, pureza de coração, santidade…
Sem as quais jamais veremos a Deus…
E tudo isto está no mais íntimo de nós…
Porque Deus nos criou para vivermos unicamente do seu amor…
Unicamente para amá-lo e adorá-lo pelos tempos infinitos…
No seu Reino bendito, morada eterna da paz…
Amém!

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.

FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

É AQUI QUE DEFINIMOS O DEVIR…

Essa dor dói demais, a dor da queda humana…
A dor de ver Deus não amado por suas criaturas…
A dor de ver o mal agir como se pudesse fazer isso…
A dor da impotência diante de tantas almas perdidas…
A dor doída, a dor da vida que se esvai sem sentido algum…

Ó homens todos, por que tão tolos em sua grande maioria?
Será que não discernem bondade de maldade?
Será que não percebem pelos efeitos os dejetos dos vícios?
Será que não experimentam o resultado maléfico de seus desvarios?
Será que são tão cegos assim? E como fica o devir?

Por que será que trocam o valor eterno da honestidade pela podridão da corrupção?
Não é porque deixam de fazer o que é verdadeiro e decidem pelo erro, pela mentira, mesmo sabendo que estão atentando contra a verdade?
Por que será que juram inocência mesmo diante das evidências que lhes desmascaram?
Não é porque têm aqueles que advogam com falácias seus abusos indefensáveis e a justiça não os pune, só porque são advogados?
Por que será? Quem está por trás de tamanhas injustiças?

Por que se dão às drogas entorpecentes e outros vícios abomináveis e não à paz das virtudes que Deus pôs em todos os corações?
Por que optam pelo ódio e não pelo amor?
Por que deixam a fé pela incredulidade?
Por que semeiam a discórdia, a divisão e não a compreensão e a solidariedade?

Por que deixam de se entregar a Deus pelas virtudes da obediência, da piedade, da penitência…; para se entregarem ao mal por toda espécie de comportamentos estúpidos, esdrúxulos, pervertidos?
Por que visam só os bens materiais; mesmo diante da fragilidade temporal que os fará sucumbir?
Por que não visam os bens eternos, um vez que nossas almas são imortais?
Oh! Quanta dor, Senhor, por se apartarem de Ti por nada…
Porque, o que há de bom fora de Deus? Nada…
Neste mundo, tudo sem Deus é insatisfação…
Eis a razão de tanta miséria, de tanta histeria, maldade, infelicidade, morte…

Ora, Deus é eterno e tudo cria para a eternidade…
Tudo o que existe, existe em função da eternidade…
Caso não vivamos essa verdade, tudo perde o sentido, até mesmo a morte…
Pois, por ela, vamos ao encontro definitivo do Senhor, no dia eterno, por isso, nada fica parado…
Porque tudo tem um fim atemporal mesmo que esteja ainda no tempo…
Porque é o tempo, com suas leis e movimentos recebidos de Deus, que nos leva para Deus…
Portanto, chegou o tempo de passar a limpo essa nossa humanidade…

A verdade, todos já conhecem, pois independentemente de Religião, raça, cor, seja lá o que for, Deus no-la revelou, quer naturalmente por suas obras, quer pela vinda de Seu Filho, Jesus Cristo…
“Pois, quando veio a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, que nasceu de uma mulher e nasceu submetido a uma lei, a fim de remir os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a sua adoção”. (Gl 4,4-5).

“Nesse Filho, pelo seu sangue, temos a Redenção, a remissão dos pecados, segundo as riquezas da sua graça que derramou profusamente sobre nós, em torrentes de sabedoria e de prudência.
Ele nos manifestou o misterioso desígnio de sua vontade, que em sua benevolência formara desde sempre, para realizá-lo na plenitude dos tempos – desígnio de reunir em Cristo todas as coisas, as que estão nos céus e as que estão na terra”. (Ef 1,7-10).

Assim, ante a morte e ressurreição de Jesus Cristo, o Filho de Deus,
nenhuma criatura, humana ou angélica, poderá justificar-se ou ponderar de que não conheceu a Verdade tal qual ela É…
“Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado; por que não crê no nome do Filho único de Deus”.

“Ora, este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más.
Porquanto todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.
Mas aquele que pratica a verdade, vem para a luz.
Torna-se assim claro que as suas obras são feitas em Deus”.
(Jo 3,16-21).

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.

FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.