Tag Archive: vida eterna


virtudes-teologais

AS VIRTUDES TEOLOGAIS: FÉ, ESPERANÇA E CARIDADE…

“Toda dádiva boa e todo dom perfeito vêm de cima: descem do Pai das luzes, no qual não há mudança, nem mesmo aparência de instabilidade. Por sua vontade é que nos gerou pela palavra da verdade, a fim de que sejamos como que as primícias das suas criaturas”. (Tg 1,17-18). É assim que São Tiago define os dons de Deus, como dádivas perfeitas que nos levam à plenitude da felicidade, da perfeição, e com isso, à mais alta condição da glória de Deus, que é a nossa permanência Nele por toda a eternidade.

Fé, esperança e caridade são as chamadas virtudes teologais. “Segundo o Compêndio do Catecismo da [nossa] Igreja Católica, as virtudes teologais “têm como origem, motivo e objeto imediato o próprio Deus. São infundidas no homem com a graça santificante [no batismo], e tornam-nos capazes de viver em relação com a Trindade e fundamentam e animam o agir moral do cristão, vivificando as virtudes humanas. Elas são o penhor da presença e da ação do Espírito Santo nas faculdades do ser humano”. (CIC nº 384). São Paulo, na 1ª Carta aos Coríntios 13, as define como as virtudes que permanecem, porém, sendo a maior delas a caridade (o amor) (1Cor 13,13). Na Carta ao Gálatas, ele define a relação que há entre essas virtudes, primeiro a fé e o amor, dizendo que a fé opera pelo amor (cf. Gl 5,6b); depois, na carta aos Hebreus, entre fé e esperança, onde lemos: “A fé é o fundamento da esperança, é uma certeza a respeito do que não se vê”. (Hb 11,1).

Todavia, precisamos entender que essas virtudes precisam da autenticidade do Espírito Santo, para serem o que elas são. Então, como entender essa autenticidade e por consequência sua genuinidade? Por Cristo Jesus, e somente por Ele, na pessoa de Pedro e dos outros apóstolos e seus sucessores, que Ele mesmo escolheu e confirmou como fundamento de sua Igreja (cf. Mt 16,18-20; Lc 10,3.16). Com efeito, o profeta Isaías, assim profetizou sobre o Messias, o Ungido do Senhor: “Eis meu Servo que eu amparo, meu eleito ao qual dou toda a minha afeição, faço repousar sobre ele meu espírito, para que leve às nações a verdadeira religião” (Is 42,1). Assim, entendemos que Jesus, ao fundar a sua Igreja como seu corpo místico (Col 1,3.22-29;2,1-23), ele permanece nela e a conduz por seus representantes, com todos os sacramentos, virtudes e profissão de fé, para a salvação de toda humanidade. Desse modo, se firma a autenticidade de nossa fé católica, dom do Espírito Santo, recebido no batismo.

Então, vamos às virtudes teologais, primeiro a fé, como já disse, dom do Espírito Santo, que nos leva a crer firmemente sem nunca duvidar das verdades reveladas por Deus aos seus santos profetas e cumpridas no Novo Testamento, primeiro em Maria, mãe do Senhor, e depois em Jesus e em todos os filhos e filhas de Deus santificados pelo seu sacrifício de cruz, morte e ressurreição. Jesus nos ensinou que essa virtude teologal é sumamente importante para realizarmos a vontade do Pai, por isso, afirma: “Tudo é possível ao que crê.” (Mc 9,23). Logo, a fé é um instrumento da graça de Deus que nos capacita para toda boa obra, como escreveu São Paulo: “Porque é gratuitamente que fostes salvos mediante a fé. Isto não provém de vossos méritos, mas é puro dom de Deus. Não provém das obras, para que ninguém se glorie. Somos obra sua, criados em Jesus Cristo para as boas ações, que Deus de antemão preparou para que nós as praticássemos”. (Ef 2,8-10).

Quanto à virtude da esperança, esta é também derramada em nossos corações pelo Espírito Santo (cf. Rm 5,5); ela é a certeza da fé, e nunca decepciona, porque ela é uma convicção a respeito daquilo que Deus realiza em nosso favor, por isso, Ele já nos antecipa para nos ater seguros quanto aos seus desígnios a respeito da nossa salvação. Então, oremos ao Senhor por meio desta virtude: Senhor, tudo está em tuas mãos e ninguém conhece mais a nossa vida do que o Senhor; tudo o que somos e vivemos, tem como destino único o teu Reino de amor, por isso, estamos convictos de que jamais nos abandonarás, visto que teu amado Filho, Jesus Cristo, deu-se em sacrifício de cruz para que tivéssemos a paz definitiva na glória que preparastes para todos aqueles que ele redimiu. Assim, Senhor, seja feita a tua vontade, aqui na terra como nos céus.

E a virtude da caridade (do amor)? Esta é o “Ágape” de Deus que leva o ser humano à plenitude da perfeição de nossa natureza. Por ela somos plenamente santificados, porque Deus é amor e quem ama permanece em Deus e Deus nele (cf. 1Jo 4,8.16). Ora, em quem Deus permanece não há lugar para o pecado, mas somente para o estado de graça permanente e para os seus desígnios amorosos. Daí a necessidade do cultivo dessa e de todas as outras virtudes, porque esta é a vontade de Deus a nosso respeito, conforme o seu santo mandamento: “Amarás o Senhor teu Deus de todo teu coração, de toda tua alma e de todo teu espírito” (Dt 6,5). E ainda, quem ama a Deus, ame também o seu irmão (cf. 1Jo 4,21): “Amarás teu próximo como a ti mesmo” (Lv 19,18). Portanto, o amor é a essência da vida, sem o amor não há vida, não há nada, tudo é caos infindável; destarte, amemos sempre porque o Amor é próprio Deus que nos criou por amor e para o amor, e deu-nos o seu Filho para a nossa salvação.

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria,OFMConv.

Creative Commons License
FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

Anúncios

tentação e expulsão do paraíso

QUEM SOMOS NÓS SEM CRISTO?

O que temos neste mundo? A vida natural, um tempo para vivê-la; algumas coisas materiais conquistadas; algum tempo para a família, trabalho; e também para viver a fé; um tempo para amizades, divertimentos, etc. O fato é que nem sempre sabemos dividir corretamente o nosso tempo. Assim, priorizamos mais o que decidimos que é o melhor, o que nos convém; mas nem sempre nos damos bem com isso, pelo contrário, quase sempre perdemos tempo com vícios e outros malefícios da vida hodierna; e o que é essencial mesmo, na verdade, deixamos de lado.

Todavia, quando damos uma pausa e analisamos nosso comportamento, vemos que perdemos muito da vida e daqueles que amamos ou deveríamos amar mais; e assim o sofrimento aparece, cresce e se multiplica; e o pior é que no mais das vezes não sabemos como reconquistar o tempo perdido pela nossa vida desregrada; isso acontece, talvez, por causa de nossa insensatez e egoísmo, ou inda por causa da cegueira espiritual que cultivamos por não vivermos a fé devidamente.

Não podemos esquecer que nossa vida neste mundo é uma resposta que estamos dando a Deus; e essa resposta precisa ser uma resposta de amor, que realmente convença o Senhor, para que obtenhamos todas as graças que Ele dispôs a nosso favor. Quando lemos São Paulo sobre isto, entendemos melhor o que significa essa resposta: “Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que do alto do céu nos abençoou com toda benção espiritual em Cristo, e nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, diante de seus olhos”. (Ef 1,3-4).

Não temos como duvidar que a vida é um grande presente que Deus nos deu. Por isso, não podemos nos desligar Dele nunca, porque Ele é a Fonte que alimenta nosso ser e bem estar no mundo. Sem Ele a vida seca, se esvai e tudo que foi feito para o bem, torna-se presa fácil do mal, que se faz presente em todos os que se deixam levar pelos seus conselhos maléficos.

De fato, é como nos ensina o Salmo primeiro: “Feliz o homem que não procede conforme o conselho dos ímpios, não trilha o caminho dos pecadores, nem se assenta entre os escarnecedores. Feliz aquele que se compraz no serviço do Senhor e medita sua lei dia e noite. Ele é como a árvore plantada na margem das águas correntes: dá fruto na época própria, sua folhagem não murchará jamais. Tudo o que empreende, prospera. Os ímpios não são assim! Mas são como a palha que o vento leva. Por isso não suportarão o juízo, nem permanecerão os pecadores na assembleia dos justos. Porque o Senhor vela pelo caminho dos justos, ao passo que o dos ímpios leva à perdição”.

Então, o que estamos esperando do nosso pós-morte? Ou seja, como será a eternidade de nossas almas após nossa páscoa? Bem, se a resposta de nossa vida for uma reposta de amor a Deus acima de todas as coisas, é sinal de que ressuscitamos com Cristo e vivemos a fé da ressurreição; em outras palavras, desde já, vivemos a dimensão da salvação eterna que Deus preparou por Seu Filho Jesus Cristo, para aqueles que o amam. Porém, se a nossa resposta for um não a Deus em todos os sentidos, é sinal que atraímos o castigo que pesa sobre os rebeldes contumazes que fazem de sua vida um antro de perdição.

A vida sem Cristo não é vida, é morte; a vida em Cristo é eterna. De que lado nós estamos? De fato, cabe a nós tomarmos essa decisão. Mas, por que é assim? Porque a vida nos ensina que, quem planta, colhe o que se plantou. Desse modo, entendemos que no pós-morte, só existe a colheita e o que se sucede a ela, o juízo final, como nos ensinou o Senhor (cf. Mt 25,31-46). Portanto, “Não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo colheremos, se não relaxarmos. Por isso, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos os homens, mas particularmente aos irmãos na fé”. (Gal 6,9-10).

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria,OFMConv.

FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

jesus na cruz..

A VERDADE NÃO É TEORIA

A verdade não é teoria, porque ela é o fundamento da vida e tem sua origem em Deus e em Deus permanece. Todo ser inteligente ou não, busca sempre a verdade, porque nela encontra segurança, por isso, nada e ninguém permanece sem que a verdade o sustente. Desde o primeiro momento de nossa existência, fazemos parte da eternidade criadora de Deus, pois, em sua Sabedoria criou tudo e em tudo pôs o seu propósito divino, a fim de que participemos de sua glória eterna.

Aqui estamos, é verdade, em nossa naturalidade, mas não sem a proteção divina; a não ser que a dispensemos por nossas práticas pecaminosas, neste caso, afundamos na lama da maldade que cultivamos e a nossa integridade torna-se frágil, porque nos expondo ao mal, não somos capazes de nos defender por nós mesmos. O resultado são as tragédias que constatamos pela desobediência demostrada, pois sempre que pecamos nos desligamos de Deus, porque em Deus não há pecado. Porém, por sua misericórdia, Ele nos acompanha, para que mediante o arrependimento, a confissão e a absolvição dos pecados cometidos, voltemos ao perfeito estado de graça, isto é, à plena comunhão com o Senhor que no Seu amor nos quer sempre felizes sob o seu amparo. (cf. Lc.13,34).

A verdade do Senhor está sempre presente em tudo e em toda parte de sua obra, basta o bom senso para se perceber isto. Seja lá onde for, fazendo o que estivermos fazendo, não podemos nos ocultar dela ou a ocultarmos com nossas maquinações, porque mais cedo ou mais tarde ela virá à tona e revelará o que tentamos esconder nos bastidores de nossa existência (cf. Mt 10,26). Ao falar sobre isto, São Paulo assim se expressou: “A ira de Deus se manifesta do alto do céu contra toda a impiedade e perversidade dos homens, que pela injustiça aprisionam a verdade. Porquanto o que se pode conhecer de Deus eles o leem em si mesmos, pois Deus lho revelou com evidência. Desde a criação do mundo, as perfeições invisíveis de Deus, o seu sempiterno poder e divindade, se tornam visíveis à inteligência, por suas obras; de modo que não se podem escusar”. (Rom 1,18-20).

Não obstante a negativa dos homens em conhecer a verdade e permanecer nela, Deus enviou o Seu Filho, Jesus Cristo, para que por Ele tivéssemos o pleno conhecimento de Sua Presença Pessoal, transparente aos olhos do mundo, e profundamente visível aos olhos (entendimento) dos que creem. “Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado; por que não crê no nome do Filho único de Deus. Ora, este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más. Porquanto todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas. Mas aquele que pratica a verdade, vem para a luz. Torna-se assim claro que as suas obras são feitas em Deus”. (Jo 3,16-21).

A respeito da Pessoa de Jesus Cristo, eis o que escreveu São João: ”No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio junto de Deus. Tudo foi feito por ele, e sem ele nada foi feito. Nele havia a vida, e a vida era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam. Houve um homem, enviado por Deus, que se chamava João. Este veio como testemunha, para dar testemunho da luz, a fim de que todos cressem por meio dele. Não era ele a luz, mas veio para dar testemunho da luz. [O Verbo] era a verdadeira luz que, vindo ao mundo, ilumina todo homem”.

“Estava no mundo e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o reconheceu. Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam. Mas a todos aqueles que o receberam, aos que creem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas sim de Deus. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade”.

“João dá testemunho dele, e exclama: Eis aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim é maior do que eu, porque existia antes de mim. Todos nós recebemos da sua plenitude graça sobre graça. Pois a lei foi dada por Moisés, a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo. Ninguém jamais viu Deus. O Filho único, que está no seio do Pai, foi quem o revelou”. (Jo 1,1-18).

Portanto, a verdade que estamos vivendo é com ela que entraremos na glória de Deus ou não. Pois, como dizia São Francisco de Assis: “Somos o que somos aos olhos de Deus e nada mais”. E se referindo ao nosso devir, assim nos ensinou São Paulo: “Não vos enganeis: de Deus não se zomba. O que o homem semeia, isso mesmo colherá. Quem semeia na carne, da carne colherá a corrupção [e a morte]; quem semeia no Espírito, do Espírito colherá a vida eterna. Não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo colheremos, se não relaxarmos. Por isso, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos os homens, mas particularmente aos irmãos na fé”. (Gal 6,7-10).

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria,OFMConv.

FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

SÉRIE MEDITAÇÕES

O QUE QUERO EU DA VIDA?

Pensando bem, da vida eu quero somente o que a vida me convém ela mesma, em conformidade com a vontade de Deus. “Pois de que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier perder sua vida? Ou que dará o homem em troca da sua vida?” (Mc 8,35-36). Sim, é isso mesmo o que quero, pois aprendi do Senhor que nada tenho, porque tudo o que tenho são dádivas do Senhor que em seu infinito amor nos concedeu para que tenhamos vida e bem estar no mundo.

Fora disso, tudo o mais é perca de tempo, do bom convívio e medo de perder tudo, até mesmo a vida; isto porque os maus associam os bens materiais à ela e tentam tira-la a todo custo para obterem os dividendos que buscam, só que inutilmente, pois ao perderem também a vida, nada poderão levar consigo para o dia do julgamento (cf. Heb 9,27), a não ser todo o mal que causaram aos seus semelhantes, e isto como prova de sua condenação.

De fato, “Aqueles que ambicionam tornar-se ricos caem nas armadilhas do demônio e em muitos desejos insensatos e nocivos, que precipitam os homens no abismo da ruína e da perdição. Porque a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro. Acossados pela cobiça, alguns se desviaram da fé e se enredaram em muitas aflições”. (1Tim 6,9-10).

Portanto, vivamos a vida como ela é, simplesmente acolhendo-a como dádiva do nosso Criador e Pai de nossas almas, crendo firmemente, que em seu Filho, Jesus Cristo, ela é eterna para além de tudo o que somos ou temos neste mundo, pois Jesus nos ensinou: “Não se perturbe o vosso coração. Credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Não fora assim, e eu vos teria dito; pois vou preparar-vos um lugar. Depois de ir e vos preparar um lugar, voltarei e tomar-vos-ei comigo, para que, onde eu estou, também vós estejais”. (Jo 14,1-3).

Senhor, confiamos ardentemente nessa verdade que revelaste, e abraçamos com amor o que dissestes: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”. Eis-nos aqui Senhor, realiza o teu querer e executar em nosso viver, pois te amamos e te adoramos como o único Senhor, que nos deu a vida e com ela a salvação eterna. Amém!

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.

FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

CRÔNICAS DE MINHA ALMA

PARA TUDO O QUE ACONTECE, HÁ RESPOSTA…

Em tudo na vida existe um sentido eterno; sem isto, a vida seria só um exercício para a morte. Porque aqui, naturalmente, tudo tende para um fim e este fim está sempre presente, dada a fragilidade de nossa natureza mortal. Todavia, somos mais do que aparentamos ser, porque, por Deus que nos criou, somos almas viventes, isto é, almas imortais a caminho da eternidade; tanto é assim que, em sã consciência, ninguém quer a morte; a não ser os mártires das causas justas e santas, caso contrário, fugimos da morte por mais que ela naturalmente se faça presente.

Ao criar-nos Deus tomou a iniciativa e nos comunicou todos os dons para permanecermos na vida conforme seus desígnios; por isso, nos comunicou também sua presença permanente e sua vontade para que nada nos faltasse. Qualquer coisa que buscamos fora de Deus, não é de Deus, mas sim loucura… E o que buscamos fora de Deus? Existe algo fora de Deus? Sim, existe o pecado…

Sem dúvida, com a vida recebemos também o livre arbítrio, porém, somente para fazer o bem, nunca para o mal. Ele é o poder que temos aqui de decidir o nosso devir (nosso vir a ser a cada instante e eterno); nele se encontra a manutenção de nossa liberdade ou a perca dela. Jesus nos ensinou que a liberdade é fruto da verdade, pois só é livre quem é verdadeiro em tudo o que pensa, vive e faz conforme a vontade do Senhor (cf. Jo 8,31-36). Ninguém vive por si mesmo e para si mesmo, pois se assim o fosse, seria o cúmulo do egoísmo; ora, no egoísmo não existe felicidade nem futuro promissor, porque toda forma de egoísmo é esterilidade perversa e abismo de solidão.

Ora, pensarmos que podemos algo sem Deus é a mais terrível das ilusões (cf. Gn 3,1-5). Porque pensarmos assim é pensarmos desligados do Senhor, que em seu infinito amor nos criou para sermos Um em comunhão com Ele (cf. At 17,28). A pior insensatez que há é não crer em Deus, é não amá-lo, é não glorifica-lo, é não adorá-lo, é não servi-lo. Pois só existimos porque Deus é infinitamente Bom e nos faz existir, quer obedeçamos a Ele ou não (cf. Mt 5,44-45). Porquanto, não crer em Deus é a maior de todas as injustiças que um ser pode cometer em toda criação.

Com efeito, o Livro de Sabedoria nos ensina: “Amai a justiça, vós que governais a terra, tende para com o Senhor sentimentos perfeitos, e procurai-o na simplicidade do coração, porque ele é encontrado pelos que o não tentam, e se revela aos que não lhe recusam sua confiança; com efeito, os pensamentos tortuosos afastam de Deus, e o seu poder, posto à prova, triunfa dos insensatos. A Sabedoria não entrará na alma perversa, nem habitará no corpo sujeito ao pecado; o Espírito Santo educador (das almas) fugirá da perfídia, afastar-se-á dos pensamentos insensatos, e a iniquidade que sobrevém o repelirá”. (Sab 1,1-5).

Portando, na vida, o nosso único objetivo é encontrar Deus e permanecer Nele (cf. Is 55,6-11; Mt 6,24-34). Ninguém jamais viu a Deus, a não ser Jesus Cristo, o Seu Filho, ou aquele a quem o Filho o quiser revelar. Assim, quem ama Jesus e permanece nele, não somente ver a Deus, mas também convive intimamente com Ele, porque a união com Jesus pelo Espírito Santo na Eucaristia é perfeita união com Deus, nosso Pai. (cf. Jo 17,21-26; Jo 6,43-47.65).

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.

FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

CRÔNICAS DE MINHA ALMA: TUA PALAVRA, SENHOR, É ALIMENTO PARA A ALMA…

A verdade a tudo sustenta porque tudo tem sua origem nela; mas sem ela nada se sustenta, porque tudo o que há, não o é por si mesmo e em si mesmo; mas depende cem por cento para ser o que é, porque sem a verdade tudo é apenas contingência determinada. A verdade tudo governa, mesmo quando o livre arbítrio do homem diz que não; isto porque, não há rio sem fonte como não há vida sem quem a dê e a sustente; porque tudo o que não é alimentado pela Fonte Eterna da Sabedoria de Deus, definha até não mais ser.

Aparentemente a verdade é frágil, simples, humilde, é por isso que ela é acessível a tudo e a todos, porque quando todos a vivem há um equilíbrio harmonioso substancial em escala infinita a nos conduzir para além do que temos, podemos, ou entendemos ser por nós mesmos. Assim é a verdade em seu modo de ser, em seu querer e agir para tudo e para todos, porque nada lhe passa despercebido nem mesmo o mais ínfimo respiro. Quanto à nós, em tudo o que vemos e conhecemos naturalmente ou não, só o vemos e conhecemos porque a verdade que está sempre presente, nos dar a ver e conhecer, a agir e conviver, a nos comprometer ou não com o que é diante de nos.

A verdade não só convence pelo que apresenta, mas pelo que ela é. Porque a verdade é permanente e está sempre presente em tudo o que existe e tudo só existe porque a verdade é infinita. No entanto, em meio a tudo o que existe, a mentira persiste em negar o que a verdade é, mesmo sabendo, mas não admitindo, que nunca poderá vencer, visto que a mentira é só embuste em si mesma; na verdade, ela é o cúmulo do egoísmo, o próprio inferno pútrido, nada mais.

Não existe verdades, mas a Verdade. Ela se faz presente em todas as coisas sem ser todas as coisas, porque está acima de todas as coisas. Entretanto, Ela se dá a conhecer a quem a ama acima de todas as coisas. A quem nela crê e se deixa conduzir por Ela, nasce de novo para a vida eterna. Ora, estes não se prendem às coisas passageiras, mas apenas delas usufrui para o bem de todos; porque tudo o que existe só existe em função do devir. Assim, o tempo existe em função da eternidade; as coisas materiais existem em função das coisas eternas; a vida humana existe em função da vida divina, etc. Porque se não fora assim, tudo o que existe de nada adiantaria, visto que aqui tudo tem fim; menos os valores eternos.

Então, quem é a Verdade? A Verdade é Jesus Cristo, o Filho de Deus, “manso e humilde de coração”; espetado vivo numa cruz, morto e ressuscitado. Porta estreita da Salvação, Único nome por quem os homens são salvos. “O Cordeiro de Deus Imaculado que tira o pecado do mundo”. O único que venceu e nos deu vencer com Ele, o pecado, o demônio, a morte e o inferno. O único que disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” (Jo14,6); “Quem me vê, vê o Pai, Eu e o Pai somos Um” (cf. Jo 14,8-11; 10,30); “Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o atrair; e eu hei de ressuscitá-lo no último dia” (Jo 6,44); “Eu sou o pão da vida. Quem comer deste pão viverá eternamente”. (Jo 6,48.51b). Aquele que está conosco até a consumação dos séculos… E que virá para julgar os vivos e os mortos e o Seu Reino não terá fim… Quem é justo diga sim e permaneça praticando a justiça; quem não é justo, converta-se, pois ainda é tempo de conversão.

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.

FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

E TUDO ISTO ESTÁ NO MAIS ÍNTIMO DE NÓS…

Porque Deus é o Supremo Bem, existimos…
E tudo o que necessitamos para vida existe ainda, porque Deus nos ama…
Mesmo a despeito dos que o negam e querem destruir tudo…
Porque Deus é Amor, o mal não tem valor algum…
Mas infelizmente os homens insistem em cultivar a maldade…
Mesmo conhecendo na própria carne seus resultados nefastos…

O que dizer Senhor, de tamanha perversidade?
Creio que só há uma resposta convincente…
Amar-te sempre, amar-te infinitamente…
Porque se não fosse o teu amor,
nada existiria, absolutamente nada…
Todavia, ai daqueles que recusam teu amor…
Ai daqueles que semeiam a dor, a injustiça e a perversão…
Esses só terão o que semearam aqui, por toda a eternidade…
Por recusarem a verdade com suas mentiras, mesmo estando diante dela…

Senhor, que posso eu em minha finitude?
Porque são milhares e milhões de homens agindo contrariamente à tua vontade…
Como se eles tivessem por si mesmos o poder e o governo de todas as coisas criadas…
Quando na verdade aqui estão, só para definir o que serão por toda eternidade…
Porque nossas ações nada mais são do que a revelação de nossas escolhas e decisões, seja para o bem, seja para o mal…

Por isso, afirmo Senhor, sem medo algum de errar,
que não tenho poder, a não ser o poder de decidir o próprio devir…
Mas, à medida que decido por tua vontade…
Na verdade, posso tudo o que Tu podes,
porque dependo cem por cento de Ti…
Assim, já não sou eu que vivo, és Tu que vives em mim…
E a vida que vivo na carne, eu a vivo por amor de Teu Filho, Jesus…
Que por todos morreu na cruz para nos salvar…
Mesmo assim os homens não querem acreditar…
Porque se acreditassem tudo mudaria,
haveria uma verdadeira revolução do amor…
Todos se amariam e se reconheceriam como teus filhos e filhas…
E se nos tornaríamos herdeiros eternos da felicidade e da paz que nos dás…

Em meio a tudo isso, Senhor, dá pra se prever o destino eterno que estamos tomando…
Porque haverá um dia em que ouviremos de tua justiça…
A sentença bendita ou maldita do juízo final…
Bem-aventurados os que te glorificaram pela obediência e pelo amor…
Estes gozarão por toda a eternidade a felicidade que mereceram…
Ao contrário, malditos serão todos os que te negaram pelas maldades que praticaram…
Todos que se enredaram pela vereda da mentira, corrupção, depravação, homicídios, malefícios, impurezas, idolatria, perdição…
Estes terão como quinhão o tanque ardente de fogo e enxofre, a segunda morte…
Porque decidiram por tal viver…

Por isso, cada um se examine a si mesmo,
E procure corrigir e o que precisa de mudança…
Para assim poder alcançar as bem-aventuranças…
Compostas pela lembrança das virtudes praticadas…
Fé, esperança, caridade, desapego material…
Justiça, mansidão, fidelidade, paz…
Misericórdia, pureza de coração, santidade…
Sem as quais jamais veremos a Deus…
E tudo isto está no mais íntimo de nós…
Porque Deus nos criou para vivermos unicamente do seu amor…
Unicamente para amá-lo e adorá-lo pelos tempos infinitos…
No seu Reino bendito, morada eterna da paz…
Amém!

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.

FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

É AQUI QUE DEFINIMOS O DEVIR…

Essa dor dói demais, a dor da queda humana…
A dor de ver Deus não amado por suas criaturas…
A dor de ver o mal agir como se pudesse fazer isso…
A dor da impotência diante de tantas almas perdidas…
A dor doída, a dor da vida que se esvai sem sentido algum…

Ó homens todos, por que tão tolos em sua grande maioria?
Será que não discernem bondade de maldade?
Será que não percebem pelos efeitos os dejetos dos vícios?
Será que não experimentam o resultado maléfico de seus desvarios?
Será que são tão cegos assim? E como fica o devir?

Por que será que trocam o valor eterno da honestidade pela podridão da corrupção?
Não é porque deixam de fazer o que é verdadeiro e decidem pelo erro, pela mentira, mesmo sabendo que estão atentando contra a verdade?
Por que será que juram inocência mesmo diante das evidências que lhes desmascaram?
Não é porque têm aqueles que advogam com falácias seus abusos indefensáveis e a justiça não os pune, só porque são advogados?
Por que será? Quem está por trás de tamanhas injustiças?

Por que se dão às drogas entorpecentes e outros vícios abomináveis e não à paz das virtudes que Deus pôs em todos os corações?
Por que optam pelo ódio e não pelo amor?
Por que deixam a fé pela incredulidade?
Por que semeiam a discórdia, a divisão e não a compreensão e a solidariedade?

Por que deixam de se entregar a Deus pelas virtudes da obediência, da piedade, da penitência…; para se entregarem ao mal por toda espécie de comportamentos estúpidos, esdrúxulos, pervertidos?
Por que visam só os bens materiais; mesmo diante da fragilidade temporal que os fará sucumbir?
Por que não visam os bens eternos, um vez que nossas almas são imortais?
Oh! Quanta dor, Senhor, por se apartarem de Ti por nada…
Porque, o que há de bom fora de Deus? Nada…
Neste mundo, tudo sem Deus é insatisfação…
Eis a razão de tanta miséria, de tanta histeria, maldade, infelicidade, morte…

Ora, Deus é eterno e tudo cria para a eternidade…
Tudo o que existe, existe em função da eternidade…
Caso não vivamos essa verdade, tudo perde o sentido, até mesmo a morte…
Pois, por ela, vamos ao encontro definitivo do Senhor, no dia eterno, por isso, nada fica parado…
Porque tudo tem um fim atemporal mesmo que esteja ainda no tempo…
Porque é o tempo, com suas leis e movimentos recebidos de Deus, que nos leva para Deus…
Portanto, chegou o tempo de passar a limpo essa nossa humanidade…

A verdade, todos já conhecem, pois independentemente de Religião, raça, cor, seja lá o que for, Deus no-la revelou, quer naturalmente por suas obras, quer pela vinda de Seu Filho, Jesus Cristo…
“Pois, quando veio a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, que nasceu de uma mulher e nasceu submetido a uma lei, a fim de remir os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a sua adoção”. (Gl 4,4-5).

“Nesse Filho, pelo seu sangue, temos a Redenção, a remissão dos pecados, segundo as riquezas da sua graça que derramou profusamente sobre nós, em torrentes de sabedoria e de prudência.
Ele nos manifestou o misterioso desígnio de sua vontade, que em sua benevolência formara desde sempre, para realizá-lo na plenitude dos tempos – desígnio de reunir em Cristo todas as coisas, as que estão nos céus e as que estão na terra”. (Ef 1,7-10).

Assim, ante a morte e ressurreição de Jesus Cristo, o Filho de Deus,
nenhuma criatura, humana ou angélica, poderá justificar-se ou ponderar de que não conheceu a Verdade tal qual ela É…
“Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado; por que não crê no nome do Filho único de Deus”.

“Ora, este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más.
Porquanto todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.
Mas aquele que pratica a verdade, vem para a luz.
Torna-se assim claro que as suas obras são feitas em Deus”.
(Jo 3,16-21).

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.

FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

CRÔNICAS DE MINHA ALMA: SIM, SENHOR, EU ESPERO…

Senhor, nada tenho, porque tudo o tenho um dia não terei mais, até mesmo o que sou agora, sinto que só o sou por causa de tua misericórdia. Portanto, não posso e não quero abusar da aparente liberdade momentânea que tenho, para práticas fúteis ou outras “façanhas” malfadadas que tanto tem tirado definitivamente a vida de milhares e milhões. Aliás, São Paulo já nos havia alertado sobre isto: “Não vos enganeis: de Deus não se zomba. O que o homem semeia, isso mesmo colherá. Quem semeia na carne, da carne colherá a corrupção; quem semeia no Espírito, do Espírito colherá a vida eterna”. (Gl 6,7-8).

Todos nós primamos por segurança, no entanto, no mais das vezes, nos expomos aos piores perigos porque nos afastamos de Ti, Senhor, pelos pecados praticados. Ainda assim, muitos se acham donos da vida como se a vida fosse propriedade permanente de qualquer criatura, ou seja, como se não a tivéssemos recebido. Ora, mas isto não passa de autossuficiência, arrogância ou um blefe barato, porque se temos o que iremos perder naturalmente, como se achar acima desta perda? Na verdade, não podemos esquecer, só Deus tem todo poder infinitamente, e isto fica evidente por sua Providência Divina que a tudo sustenta e governa, a despeito dos incrédulos, indiferentes e maléficos negarem essa verdade.

O ser humano foi criado para o bem infinito, e quando não vivemos esse desígnio do criador a nosso respeito, a vida perde todo sentido de ser e os homens passam a viver apenas em função da temporalidade à espera da morte e nada mais. Todavia, no âmago de todos nós existe um desejo como que permanente de vida, por isso, a morte, quando não a encaramos com naturalidade, torna-se uma espécie de companhia indesejada, a tal ponto que nem queremos pensar nela, mesmo convivendo pacificamente com ela a todo momento.

Então, haverá solução para essa condição de nossa brevidade existencial? Sim, pois o Filho de Deus, Jesus Cristo, pôs fim à tragédia do pecado, ao reinado das trevas e ao poder da morte. Escutemos o Senhor: “Não se perturbe o vosso coração. Credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Não fora assim, e eu vos teria dito; pois vou preparar-vos um lugar. Depois de ir e vos preparar um lugar, voltarei e tomar-vos-ei comigo, para que, onde eu estou, também vós estejais. E vós conheceis o caminho para ir aonde vou. Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho? Jesus lhe respondeu: Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”. (Jo 14,1-6).

Assim, ouvindo o Senhor, digo: sem essa esperança, não há salvação, não há solução alguma para a vida. Pois o ser humano sem a esperança da ressurreição é o mesmo que um cadáver ambulante, existe, mas só por enquanto. Daí, Senhor a necessidade de te amar, de te querer, de ti glorificar, de te dar tudo o que sou, sinto e vivo neste mundo, como resposta por me teres criado para o louvor de tua glória. Sim, Senhor, espero em ti a ressurreição dos mortos e a vida do mundo que há de vir, porque já a experimento aqui, por te amar acima de todas as coisas e de mim mesmo, pois, assim como disse São Paulo, o digo também: “Na realidade, pela fé eu morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou pregado à cruz de Cristo. Eu vivo, mas já não sou eu; é Cristo que vive em mim. A minha vida presente, na carne, eu a vivo na fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim”. (Gl 2,19-20).

E qual é a tua resposta, Senhor? “Eu sou o pão da vida: aquele que vem a mim não terá fome, e aquele que crê em mim jamais terá sede. Este é o pão que desceu do céu. Quem come deste pão viverá eternamente”. (Jo 6,35.58ac). “Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, jamais morrerá. Crês nisto? Respondeu ela: Sim, Senhor. Eu creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, aquele que devia vir ao mundo.”. (Jo 11,25-27). É por isso que espero em Ti, Senhor, até o meu último instante aqui, onde Te encontrarei face a face, para o devir que preparastes como herança eterna, para todos que te amam e te seguem.

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.

CRÔNICAS DE MINHA ALMA: ONDE SE ENCONTRA VERDADEIRA SEGURANÇA?

De posse da vida no mundo, o homem em sua finitude, busca segurança temporal a partir dos meios de que dispõe à seu favor. Assim, procura acumular bens materiais, visando ter neles a segurança necessária para o bem viver, mesmo sabendo que um dia perderá tudo o que tem ou os deixará a outrem, em virtude de sua condição de mortalidade. Todavia, por ter alma imortal tem também uma vocação eterna, por isso, aspira sempre a vida e nunca a morte; a não ser que, por um viver dissoluto, torne-se artífice de sua própria perda. Como revela o Livro da Sabedoria, “Mas, (a morte), os ímpios a chamam com o gesto e a voz. Crendo-a amiga, consomem-se de desejos, e fazem aliança com ela; de fato, eles merecem ser sua presa”. (Sab 1,16).

Então, como ter segurança real, num mundo perverso e violento, onde a todo instante vidas inocentes ou não são ceifadas? Creio que somente por um viver digno, autentico, fundamentado na obediência aos mandamentos da Lei de Deus é que temos verdadeira proteção; a começar pelo amor a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Também não podemos esquecer que fomos criados por Deus “à sua imagem e semelhança”, dotados de alma imortal, capazes da plenitude da perfeição por meio da vivência das virtudes do Espírito Santo que habita em todos os batizados. Ora, quem vive sob essa segurança divina nada tem a temer, porque mesmo se for pendurado numa cruz, ressuscitará para a vida eterna, pois Deus, Pai Santo e Perfeito, cuida dos seus filhos e filhas e não deixará que se perca um só fio de seus cabelos. (cf. Mt. 10,28-31).

Com efeito, escreveu São Paulo: “Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos muito amados. Progredi na caridade, segundo o exemplo de Cristo, que nos amou e por nós se entregou a Deus como oferenda e sacrifício de agradável odor. Quanto à fornicação, à impureza, sob qualquer forma, ou à avareza, que disto nem se faça menção entre vós, como convém a santos. Nada de obscenidades, de conversas tolas ou levianas, porque tais coisas não convêm; em vez disto, ações de graças. Porque sabei-o bem: nenhum dissoluto, ou impuro, ou avarento – verdadeiros idólatras! – terá herança no Reino de Cristo e de Deus”. (Ef 5,1-5).

Por fim, se quisermos ter verdadeira segurança, precisamos viver a nossa consagração a Deus como nos ensina São Paulo: “Eu vos exorto, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, a oferecerdes vossos corpos em sacrifício vivo, santo, agradável a Deus: é este o vosso culto espiritual. Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito”. (Rom 12,1-2).

Paz e Bem!

Frei Fernando,OFMConv.

FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.